Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

27/02/2018 - 11h00

Plenário analisa hoje mudanças em projeto que regulamenta aplicativos de transporte

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Ordem do dia para discussão e votação de projetos
Deputados também poderão votar a Medida Provisória 801/17, que dispensa os estados de uma série de exigências para renegociar dívidas com a União

O projeto de lei que regulamenta serviços de transporte com aplicativos é o destaque de hoje da pauta do Plenário da Câmara, que reúne-se nesta tarde. Os deputados precisam analisar o substitutivo do Senado para o PL 5587/16, do deputado Carlos Zarattini (PT-SP) e outros.

Uma das principais alterações feita pelos senadores retira do município a atribuição de autorizar a atividade, mantendo apenas a competência para fiscalizar o serviço.

Outra emenda aprovada pelo Senado retira da proposta original a obrigatoriedade de que o condutor seja proprietário do veículo e do uso de placas vermelhas nos carros.

Dívidas estaduais
O primeiro item da pauta, entretanto, é a Medida Provisória 801/17, que tranca a pauta e dispensa os estados de uma série de exigências para renegociar suas dívidas com a União com base nas leis complementares 148/14, 156/16 e 159/17.

O governo alega que, mesmo com as novas condições previstas em algumas dessas leis, os estados não estão conseguindo refinanciar seus débitos em razão da documentação exigida.

De acordo com a MP 801, nos contratos de renegociação assinados com a União e lastreados pelas três leis, os estados estão dispensados dos seguintes requisitos:
- certidões de regularidade junto ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e ao Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin);
- certidão de regularidade com os tributos federais (exceto contribuições previdenciárias) e com a Dívida Ativa da União;
- cumprimento das regras relativas ao funcionamento dos regimes próprios de previdência;
- comprometimento máximo da receita corrente líquida com despesas referentes a parcerias público-privadas, e
- cumprimento de obrigações determinadas pelas leis 8.727/93 e 9.496/97, e pela MP 2.185/01. Essas normas autorizaram renegociações de dívidas estaduais no governo FHC.

Roubos com explosivos
Também está pautado para a sessão de hoje o Projeto de Lei 9160/17, do Senado, que aumenta as penas para uso de explosivos em furto ou roubo.

No caso do furto, cuja pena geral é de reclusão de 1 a 4 anos, o crime de empregar explosivos ou de furtá-los passará a ser punido com 4 a 10 anos.

Já o roubo de explosivos passará a ser penalizado com aumento de 1/3 à metade da pena geral de reclusão de 4 a 10 anos. Para o roubo realizado com arma de fogo ou com uso de explosivos, o agravante será de 2/3 da pena cominada.

Em 2015, a Câmara dos Deputados aprovou o PL 3481/12, do deputado Alexandre Leite (DEM-SP), com agravantes de 1/3 à metade da pena geral para o roubo de arma de fogo, munição ou acessório explosivo; ou para o furto de bem público, de arma de fogo, munição ou acessório explosivo.

Quanto ao furto, a pena seria de 3 a 8 anos de reclusão se realizado com o uso de explosivos ou para o furto deles ou de substâncias que permitissem sua fabricação. Esse projeto não foi votado ainda pelo Senado.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Eduardo Piovesan
Edição - Geórgia Moraes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Bruno | 28/02/2018 - 15h02
Senhores. Os app de motoristas são a melhor economia do pais. Giro de moeda,consumo de combustível em grande escala, economia por custos ao povo brasileiro. Grande maioria hoje utiliza a moderna plataforma. Sejamos realistas e não vamos para retrocesso.
Carlos | 28/02/2018 - 13h09
Nobres deputados do meu Brasil, tudo que rege União, Estados e Municípios tem q ter regulamentação por quê uma empresa vem de fora mandar e desmandar no país dizendo que os nobres deputados não tem competência pra votar a PL. Deputados vamos votar essa PL na íntegra e mostrar que vcs tem competência sim pra gerir nosso país.
Ricardo | 28/02/2018 - 10h51
Bom dia senhores deputados! A uber vende manipulação, regulamentação não é proibir SIM PL5587 SEM EMENDAS. A UBER diz dar emprego mas na verdade ela é a unica empresa que ta investindo em carros autônomos que não precisa de motorista, ela quer ganhar o monopólio ditando as regras. RETROCESSO é cobrar tarifa dinâmica e achar normal, e a mesma coisa que a padaria cobrar o pão no horário da manhã mais caro a onde tem maior movimento. RETROCESSO é ofertar um serviço sem regulamentação. RETROCESSO e da mobilidade intupir os grandes centros com carros de outras cidades. SIM A PL 5587 SEM EMENDAS