Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

22/02/2018 - 12h50

Novo líder do PDT, Figueiredo diz que partido vai lutar contra “pauta danosa” do governo

Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados
Seminário sobre o jogo Baleia Azul. Dep. André Figueiredo (PDT - CE)
Figueiredo: "Nós somos oposição ao governo, mas isso não significa indisposição ao diálogo"

O governo teve que abandonar a reforma da Previdência, mas a pauta de projetos que podem prejudicar a população ainda persiste. O alerta foi feito pelo deputado André Figueiredo (CE), que neste ano vai liderar o PDT na Câmara dos Deputados. O partido conta com 21 deputados.

Figueiredo, que sustituiu o deputado deputado Weverton Rocha (MA) na liderança da legenda, elencou entre as propostas “danosas” a privatização da Eletrobras (PL 9463/18) e a autonomia do Banco Central (o projeto ainda não chegou à Câmara). “Não temos expectativa que o atual governo venha a sinalizar positivamente com uma pauta que queremos implementar”, disse o novo líder trabalhista.

O deputado afirmou que o partido vai atuar com “olhos de lince” para evitar que a Câmara aprove projetos que “dilapidem o patrimônio do povo, que foi duramente construído”.

Formado em direito e economia e filiado ao PDT desde 1984, Figueiredo, 51 anos, está no terceiro mandato como deputado federal. Na Casa, ele já ocupou a liderança do partido entre 2012 e 2014 e em 2015. Fora da Câmara, foi secretário-executivo do Ministério do Trabalho (2007-2010) e ministro das Comunicações (2015-2016).

Leia abaixo a entrevista concedida pelo novo líder à Agência Câmara.

Qual a prioridade da bancada para este ano?
Vai ser um ano muito difícil. Um ano em que o atual governo sinaliza um panorama de reformas nefastas para a população brasileira. A reforma da Previdência está praticamente morta, dentro dos moldes que estava apresentada, mas existem outras sinalizações para o mercado financeiro que são extremamente danosos para o Brasil. A questão da autonomia do Banco Central, sem nenhuma discussão, a dilapidação do patrimônio do povo brasileiro, como a eventual privatização da Eletrobras. Tantos outros temas que o governo tem encaminhado que nós precisamos discutir com lupa, com olhar de lince para evitar que sejam aprovados projetos que dilapidem o patrimônio do povo, que foi duramente construído.

O que pode ser aprovado neste ano na pauta econômica?
O governo sinaliza com uma pauta muito ruim para quem está na base da pirâmide econômica. Temos a convicção de que é indispensável que esta Casa não vote projetos sem uma discussão muita profunda. A Casa tem que discutir projetos de lei que tragam avanço para o Brasil.

Em relação a aprovação de projetos benéficos a população, eles podem ser prejudicados pelo calendário eleitoral?
Se forem projetos que tragam benefícios para o Brasil ou que, em uma primeira análise, são maléficos, mas que podemos compactuar um avanço para a economia, vamos discutir.

Nós somos oposição ao governo, mas isso não significa indisposição ao diálogo. Vamos ver o que pode nos unificar para fazer avançar a pauta da Casa.

Qual a previsão dos líderes para o começo do funcionamento das comissões? Elas podem começar a funcionar mais tarde, por conta da troca de partidos?

Tivermos uma reunião do Colégio de Líderes com o presidente Rodrigo Maia e ele sinalizou que no decorrer da primeira quinzena de março as comissões vão ser instaladas. Não podemos esperar até o prazo final de troca de partidos [7 de abril] para que as comissões possam funcionar, porque vai ser um grande desserviço a essa Casa, até porque é um ano eleitoral.

Confira entrevistas com outros líderes

Reportagem - Janary Júnior
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'