Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

07/02/2018 - 18h46

Proposta cria fundo eleitoral abastecido com contribuição sobre salários de políticos

Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados
Reunião Deliberativa. Dep. Luis Tibé (PTdoB-MG)
Luis Tibé: com o novo fundo, a classe política é quem financiará as eleições

O deputado Luis Tibé (Avante-MG) propôs a criação de um novo fundo para financiar as campanhas eleitorais do País. Previsto na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 360/17, o Fundo Especial de Financiamento da Democracia destinará recursos para os partidos políticos aplicarem nas campanhas dos seus filiados.

A novidade do fundo sugerido pelo parlamentar está na fonte dos seus recursos: o dinheiro virá de uma contribuição obrigatória sobre os salários do presidente e do vice-presidente da República, governadores (e vices), prefeitos (e vices), senadores, deputados federais e estaduais, vereadores e ocupantes de cargos comissionados, de livre nomeação, dos poderes Executivo e Legislativo.

Já existem dois fundos políticos, ambos abastecidos com recursos do orçamento federal e administrados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE): o Fundo Partidário e o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC). Este último foi criado no ano passado (Lei 13.487/17) e terá sua estreia em 2018, quando destinará R$ 1,7 bilhão para as eleições gerais.

Regulamentação
Pela PEC, a União fica autorizada a instituir a contribuição, que será criada por lei. O fundo também poderá ter como fontes doações e contribuições que lhe forem destinadas. A proposta prevê que uma lei definirá a forma de distribuição dos recursos entre os partidos. A gestão do fundo será feita pelo TSE.

Tibé afirma que a sua proposta está mais alinhada ao que deseja a sociedade. “A classe política é quem financiará as eleições”, disse.

Segundo ele, a PEC permite a independência dos candidatos em relação ao poder econômico e preserva o orçamento público, “garantindo que nem um único centavo do dinheiro da educação ou da saúde, por exemplo, sejam utilizados para o financiamento de campanhas”.

Tramitação
A PEC 360/17 será analisada inicialmente pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara. Se a admissibilidade for aprovada, será criada uma comissão especial para analisar o teor da proposta. A votação final ocorrerá no Plenário da Câmara.

Saiba mais sobre a tramitação de PECs

Íntegra da proposta:

Reportagem – Janary Júnior
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

rui s pereira | 14/02/2018 - 17h40
Mais um artifício para conseguir dinheiro a partidos politicos. Pergunto quem paga o salario dos deputado, senadores, presidentes, governadores, prefeitos? ; a população com o pagamento de impostos portanto isso é outra sacanagem politica, outra mentira, outra força bruta. O dinheiro não ser fabricado portanto alguem vai ter que trabalhar para ter esses recursos. novamente a população vai pagar o pato.
tommy | 14/02/2018 - 13h11
uma proposta como essa já deveria ter saído e sido aprovada há muitos anos, mas duvido que vá ser aprovada, até com passaportes eles economizam, só buscar a lista de parlamentares que pedem passaporte diplomático para passear em vez de irem representar o país em missões.
Rosiclelia Torrelio | 09/02/2018 - 10h23
Primeiramente permitir que haja fundo eleitoral com dinheiro público é o maior dos ABSURDOS. POLÍTICO NÃO DEVERIA SER EMPREGO E SIM IDEOLOGIA, manteriam seus empregos e dedicariam uma parte do tempo a política, recebendo gratificação. TODOS OS POLÍTICOS DEVERIAM USAR O SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE E DE EDUCAÇÃO,só assim melhorariam esses sistemas para o povo. O dinheiro de campanha deveria vir de cada um que queira se candidatar, campanhas baratas sem ostentação ou custo de TV. Deveriam ter mais ÉTICA, MORAL E LEGISLAR PARA O POVO E NÃO BENEFICIO PRÓPRIO. VERGONHA DE SER BRASILEIRA...