Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

26/01/2018 - 09h32

Maia reafirma intenção de votar reforma da Previdência em fevereiro

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Lançamento - Coleção João Camilo de Oliveira Torres. Presidente da Câmara, dep. Rodrigo Maia (DEM-RJ)
Presidente da Câmara avalia que a resistência da sociedade à reforma está diminuindo; "maior desafio é convencer os parlamentares", afirma

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defendeu a votação da reforma da Previdência ainda em fevereiro e disse que espera ter, a partir do dia 20, pelo menos os 308 votos necessários para a aprovação do texto.

Segundo Maia, apesar de o calendário estar mantido, a base ainda está buscando apoio à proposta. O presidente destacou que a resistência na sociedade à reforma está diminuindo e que o maior desafio é convencer os parlamentares acerca da importância da reforma. Maia concedeu entrevista coletiva nesta quinta-feira (25) à noite após participar de um evento em Goiânia.

“Essa reforma é a reforma da igualdade, na qual o trabalhador que ganha um salário mínimo vai ter o mesmo sistema previdenciário daquele que ganha 30 mil ou o teto do INSS. Nosso desafio não é mais apenas convencer parte da sociedade, nosso desafio é mostrar ao deputado e à deputada que o nosso objetivo é ter um novo sistema (previdenciário) com igualdade”, defendeu.

Contagem de votos
Nesta quarta-feira (26), o relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) afirmou que o governo ainda não tem os votos para aprovar a proposta, mas que a base está empenhada para conquistar os parlamentares indecisos. Ele disse que o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, informou que há, no momento, 275 votos certos para aprovar a reforma e, aproximadamente, 55 parlamentares indecisos.

Agenda
O presidente Rodrigo Maia também destacou nesta quinta-feira a agenda de votações da Câmara neste semestre, que inclui uma pauta sobre segurança pública e projetos para serem votados na semana do dia 8 de março focados no combate à violência contra a mulher.

Em relação aos projetos de segurança pública, Maia destacou propostas para endurecer o combate ao tráfico de armas e drogas no País e alterar a legislação em relação ao sistema carcerário.

“Hoje, o sistema não é mais uma escola para o crime, hoje é QG do crime. Precisamos criar uma nova estrutura onde a gente tire o QG do crime de dentro dos presídios”, disse.

Ele também afirmou que pretende colocar em votação uma nova legislação que flexibilize o desarmamento no País. “Vamos trabalhar com responsabilidade, não liberando tudo, mas organizando para que depois de cumprida todas as obrigações, a Polícia Federal dê de forma respeitosa o direito à posse de armas”, explicou.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição - Alexandre Pôrto

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

sergio hernandes | 01/02/2018 - 08h17
Comecem por vocês do alto escalão, cortem todos os privilégios e comecem a gastar com responsabilidade e sensatez, faça a reforma tributaria, cobre as dividas dos grandes devedores e garanto que sobra dinheiro e não será necessário fazer a reforma, pois já provado que o sistema funciona o problema são as sangrias que tem nele.
Ademir Gouvea | 30/01/2018 - 10h40
Reforma da previdência se necessária teria que vir de forma equilibrada não só ônus ao funcionário publico, que tal a classe politica parar de fazer demagogia, e fazer uma faxina moral nas suas leis, retirando seus privilégios, legalizados por eles mesmos ao criar leis imorais, desproporcionais aos pregam para melhorarem as condições politicas e finanças do pais. Façam a sua parte em suas casas de leis, e se bem intencionados terão o apoio do servidor e da população para as suas reformas. Não havendo necessidade de investir dinheiro público para obter apoio para resolver parte do problema.
JORGE RIOS | 30/01/2018 - 03h35
Sou a FAVOR da REFORMA DA PREVIDÊNCIA mas NÃO DESTA que penaliza viúvos e pensionistas que já trabalharam E descontaram MUITO .... Enquanto isso DEPUTADOS SENADORES trabalham POUCO para o País ALGUNS NADA produzem e se aposentam CEDO demais possuem PREVIDÊNCIA NABABESCAS .... Aguardem as PRÓXIMAS ELEIÇÕES ... PROFESSOR JORGE RIOS P.S. Tenho 71 anos e trabalho há mais de 46 anos....