Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

12/09/2017 - 19h44 Atualizado em 12/09/2017 - 20h47

Carlos Marun é escolhido relator da CPMI sobre o caso JBS

Confirmação do nome do deputado para o posto desagradou a alguns integrantes do colegiado

O deputado Carlos Marun (PMDB-MS) foi escolhido para ser o relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga se houve irregularidades nas operações entre o grupo J&F e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Dep. Carlos Marun (PMDB - MS) concede entrevista
Carlos Marun diz se sentir "completamente independente" para o exercício da função

“Sei que a minha indicação desagradou a alguns membros da comissão e do Parlamento. Isso não me causa surpresa. A política tem dois lados e um muro. Sempre fiz questão de ter um lado”, disse Marun, ao assumir a relatoria. Ele afirmou se sentir “completamente independente” para o exercício da função.

A confirmação, pelo presidente da CPMI, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), do nome de Marun para o posto de relator gerou reações imediatas.

Os senadores Otto Alencar (PSD-BA) e Ricardo Ferraço (PSDB-ES), por exemplo, anunciaram que vão sair do colegiado por discordarem da escolha.

Alencar afirmou que o encontro, no último sábado (9), de Ataídes Oliveira com o presidente Michel Temer enfraquecia a condução dos trabalhos da comissão do ponto de vista moral. “Dentro desta CPMI chapa-branca, estou pedindo a retirada do meu nome para não participar desta farsa.”

Em resposta, Oliveira disse não ter falado com o presidente da República sobre a comissão, mas, sim, acerca da duplicação de uma rodovia. “Quantas vezes o presidente Michel me convidar para tratar de coisas do meu estado, eu irei.”

O presidente da CPMI reconheceu, porém, que conversou sobre os trabalhos do colegiado com o ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, ao final da reunião com Temer.

Reconsideração
O deputado Glauber Braga (Psol-RJ) pediu a Oliveira que a escolha de Marun fosse reconsiderada. “Não queremos que esta CPMI seja transformada em quartel general de blindagem de Temer e para fustigar adversários políticos de dentro e fora do Parlamento”, declarou.

Já na opinião do deputado Fausto Pinato (PP-SP), que ressaltou ter tido desavenças com Marun no processo contra o ex-deputado Eduardo Cunha, a definição do relator foi justa e legal.

Sub-relatorias
Ataídes Oliveira também criou nesta terça-feira (12) duas sub-relatorias. O deputado Delegado Francischini (SD-PR) assumirá a sub-relatoria de contratos da JBS (uma das empresas controladas pela J&F), englobando BNDES e BNDES-Par, e o deputado Hugo Leal (PSB-RJ) ficará com a sub-relatoria de assuntos fiscais, previdenciários e agropecuários.

Audiências
Foram apresentados até agora à CPMI mais de 130 requerimentos de audiências. Os parlamentares pedem, por exemplo, a convocação de Joesley e Wesley Batista e do executivo do grupo J&F Ricardo Saud. Joesley e Saud estão presos, por determinação do ministro Edson Fachin, responsável no Supremo Tribunal Federal (STF) pela Operação Lava Jato.

Outros pedidos citam os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff; os ex-ministros José Eduardo Cardozo e Guido Mantega; o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha; e o ex-procurador da República Marcello Miller.

O grupo J&F, dirigido pelos irmãos Joesley e Wesley Batista, controla o frigorífico JBS e outras companhias. A CPMI vai apurar as operações da holding com o BNDES ocorridas entre os anos de 2007 e 2016. A comissão de deputados e senadores investigará também o acordo de colaboração premiada do Ministério Público Federal com executivos das empresas.

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

NELSON MARTINS CAPITÃO | 13/09/2017 - 09h20
O CONGRESSO DEVERIA LEGILAR PARA O POVO E NÃO CRIAR DIFICULDADE COMO CRIAR CPI QUE NÃO LEVA A LUGAR NENHUM SOMENTE PARA ENCOBRIR MAL FEITO PELOS PARLAMENTARES ESSA CPI É UMA VERGONHA.