22/03/2017 - 11h26

Maia diz que, sem estados e municípios, aprovação de reforma da Previdência deve ser facilitada

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, voltou a defender agora há pouco a decisão do governo de retirar servidores estaduais e municipais da proposta de reforma da Previdência (PEC 287/16).

Segundo ele, a decisão ajudará a aprovação do texto pelo Congresso. “Distensiona o embate e uma mobilização nos estados que, do ponto de vista do interesse do governo, não era necessário. Não temos porque assumir a responsabilidade sobre a Previdência dos estados”, disse.

Questionado se a medida do governo poderia levar servidores federais a exigir também a retirada da reforma, Maia foi enfático: “Se os servidores públicos saírem da reforma não vai ter reforma. E, no futuro, eles que vão pagar a conta”.

Estados endividados
Maia também manifestou interesse em aprovar na próxima semana a proposta que cria o Regime de Recuperação Fiscal dos Estados e do Distrito Federal (PLP 343/17), para ajuda federal a estados endividados, desde que em troca de contrapartidas.

“Sou a favor das contrapartidas, não necessariamente no texto. A Advocacia-Geral da União diz que, sem as contrapartidas no texto, vai suspender a Lei de Responsabilidade Fiscal”, disse.

Terceirização
Maia também reafirmou a intenção de votar ainda hoje o projeto que regulamenta a terceirização (PL 4302/98). Os deputados precisam analisar substitutivo do Senado que permite adotar a medida em todas as atividades de uma empresa.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Ralph Machado

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Natanael Marinho da Silva | 23/03/2017 - 10h51
Ledo engano, Rodrigo Maia. Isso aqui é um jogo de xadrez. O povo não é idiota.
Erasmo Neto | 23/03/2017 - 09h40
Chegou a compressão orientado pela astucia e não pela razão.Na astucia transferimos a responsabilidade para outros,na razão entendemos o sentido da co-responsabilidade que é pilar central do regime democrático.Milagre só existe na boca dos falsos profetas ou de analfabetos em matemática.
Heraclides | 22/03/2017 - 22h25
Como o Rodrigo chegou a essa compreensão? Todos nós sabemos que o que for aprovado vai valer para todos. Os Estados e Municípios sempre seguem o Governo Federal e afinal a reforma previdenciária nada mais é do que uma emenda ao Art. 40 da Constituição Federal e vai valer para todos, viu aí Rodrido.