Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

20/03/2017 - 16h37

Maia diz que Câmara deve aprovar reforma trabalhista na primeira quinzena de abril

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, afirmou nesta segunda-feira (20) que a reforma trabalhista deve ser aprovada pela Casa na primeira quinzena de abril e que, em seguida, o Plenário vai apreciar a da Previdência.

Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados
Presidente da Câmara dep. Rodrigo Maia (DEM-RJ), fala a imprensa sobre trabalhos da semana
Rodrigo Maia voltou a defender mudanças no modelo eleitoral: "O Brasil não pode entrar na próxima eleição com esse sistema do jeito que está"

“A gente vota a modernização da lei trabalhista e, depois, começa a votar a Previdência. É uma escada correta para gerar um ambiente favorável às reformas, que vão melhorar as condições do País", declarou, após participar de evento na Câmara Americana de Comércio (Amcham), em São Paulo.

Terceirização
Maia confirmou que, nesta semana, está prevista a votação pelo Plenário do projeto que regulamenta a terceirização (PL 4302/98).

Na opinião dele, o excesso de regras na legislação trabalhista tem gerado desemprego. “Temos de parar com esse mito de que mais regulação e um maior número de leis é melhor para o trabalhador. Os Estados Unidos são flexíveis nessa área, e todos os brasileiros têm um sonho de ir para lá”, sustentou.

Reforma política
O presidente da Câmara voltou a defender mudanças no sistema eleitoral brasileiro já a partir de 2018. Para Maia, o País não deve inventar um novo sistema, mas, sim, buscar modelos que deram certo no mundo. “O Brasil não pode entrar na próxima eleição com esse sistema do jeito que está”, comentou.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Luiz Gustavo Xavier
Edição - Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erasmo Neto | 27/03/2017 - 09h33
Modernização ou retrocesso?Para atender a figura do antigo capitão do mato perseguidor dos escravos fugitivos que,hoje reencarnam,ressuscitam de forma diferente na figura dos Gestores?Públicos concursados,eleitos, Privados;nacionais e internacionais?O custo da gestão,não é compatível com a maior parte dos ganhos do povo. Fantástico,fantasmagórico é de origem do espectro eletromagnético,provocando ilusão e desilusão.A verdade liberta, a cibernética informa,com base no sistema numérico de base 10 que, segundo a doutrina é de origem divina,o povo compara os salários e semi deuses são revelados.
Vanessa | 22/03/2017 - 00h36
Esse sofisma deveria convencer a quem? Qualquer cidadão brasileiro que possui ou já possuiu uma carteira de trabalho bem sabe que não são as regras e sim a imensurável carga tributária que sobrecarrega o empreendedor e o empresariado no Brasil. Tornando impraticável novas contratações. Quanto ao trabalhador brasileiro, nos dias de hoje deve agradecer por ter um trabalho, mas não se deixar esquecer ou cegar por isso que podem chegar a 6 meses de trabalho para pagar seus encargos e ficar quites com a União. O sacrifício que pedem a cada brasileiro hoje é de Tempo. O escasso tempo.
Rui Augusti | 21/03/2017 - 14h32
Flexibilizar a leis trabalhistas significa favorecer o patronado. Eles devem é minimizar os impostos para gerar mais vagas de empregos, desonerar o empreendedor. O que estão fazendo vai gerar trabalho com salários abaixo do mercado e mais lucro os donos e empreendimentos.