Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto
Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Política > Deputados negam que proposta de reajuste do FGTS seja pauta-bomba
18/08/2015 - 21h11 Atualizado em 19/08/2015 - 00h21

Deputados negam que proposta de reajuste do FGTS seja pauta-bomba

Líder do governo, no entanto, disse que não é possível se comprometer com a sanção presidencial do texto.

A maioria dos deputados que discursou no Plenário da Câmara nesta terça-feira (18) negou que o projeto que altera o índice de reajuste do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) seja uma “pauta-bomba” ou que comprometa o ajuste fiscal do governo federal.

O deputado Esperidião Amin (PP-SC) disse que a proposta é “um resgate de um direito de quem poupa compulsoriamente”, já que o trabalhador tem o FGTS descontado da folha.

O deputado Bebeto (PSB-BA) disse que “bomba” é a política econômica. “Enquanto trabalhadores pagam alto preço, o ministro Joaquim Levy [da Fazenda] aumenta juros para garantir mais dinheiro para os banqueiros”, condenou.

O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) elogiou o projeto. “Brigamos muito por isso. É uma bomba de rojão, aquela que vem para comemorar”, afirmou.

Já o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) afirmou que o ideal seria a correção do FGTS pela taxa Selic, e não pelo índice da poupança.

Regra de transição
O líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), lembrou que o governo defendeu um prazo maior para a mudança na correção do FGTS. Ele comemorou a regra de transição proposta pelo deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que escalonou o reajuste para 2019, mas ressaltou que o governo esperava um escalonamento em oito anos. Portanto, segundo Guimarães, não é possível se comprometer com a sanção presidencial do texto.

“O relator avançou até quatro anos. É uma questão que a área econômica precisa avaliar, mas não é por isso que não vamos avançar”, afirmou Guimarães.

O Poder Executivo vinha lutando contra a análise da proposta, com o argumento de que o aumento da correção do FGTS criaria um desequilíbrio no fundo e afetaria os investimentos. Outra consequência desse desequilíbrio, segundo o governo, seria o aumento da prestação da casa própria.

Por acordo feito com o governo, o deputado Rodrigo Maia colocou no texto a vinculação de 60% do lucro do FGTS para subsidiar o programa Minha Casa, Minha Vida. Segundo Maia, o trabalhador sairá ganhando, e o governo não perde.



  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal