Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

10/06/2015 - 20h07 Atualizado em 10/06/2015 - 23h32

Deputados protestam contra uso de símbolos religiosos na parada LGBT

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Deputados protestam durante sessão
Deputados levaram cartazes e estenderam faixa de protesto em Plenário

Diversos deputados, principalmente ligados ao movimento cristão, protestaram nesta quarta-feira, em Plenário, contra a utilização de símbolos religiosos cristãos na Parada do Orgulho LGBT, que ocorreu no último fim de semana, em São Paulo. No desfile, uma transexual seminua desfilou pregada a uma cruz, simulando a crucificação de Cristo.

O coordenador da Frente Parlamentar Evangélica, deputado João Campos (PSDB-GO), leu nota de repúdio. “Afrontar as crenças de milhares de brasileiros não assegura a ninguém o direito de ser igual. Não é pela força que se defende ideias, mas com a força dos argumentos. Não nos calaremos diante da atitude de intolerância”, disse.

Campos criticou ainda o fato de a parada gay ter recebido recursos públicos federais e da prefeitura de São Paulo. “É dinheiro público patrocinando a intolerância”, completou.

Segundo ele, o objetivo do ato em Plenário é promover uma reflexão que leve à paz e encurte a distância entre os que pensam diferente.

Projeto de lei
Já o deputado Rogério Rosso (PSD-DF) comentou a apresentação de requerimento de urgência para um projeto de lei apresentado por ele na última segunda-feira que torna a intolerância religiosa crime hediondo, com pena de até 8 anos (PL 1804/15). “Isso [o uso de símbolos cristão na parada gay] é o contrário da tolerância religiosa”, disse.

Para ele, o ato dos deputados em Plenário é uma representação da união dos cristãos contra uma atitude que classificou de blasfêmia e de intolerância religiosa.

O deputado Roberto Freire (PPS-SP) foi o único a discursar contra o protesto. Ele ressaltou que o Brasil é “uma república laica”. “Não se pode, até para respeitar quem não tem fé religiosa, transformar o Plenário em igreja”, afirmou, em alusão a deputados que haviam rezado o Pai Nosso durante o protesto.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

elaine Fernandes | 14/06/2015 - 18h28
Precisam respeitar mesmo a nossa Fé! Chega de tanta libertinagem! É crime quem praticou tais atos e precisam ser responsabilizados pela lei dos homens! Os deputados apenas manifestaram e defenderam a opinião da MAIORIA do povo brasileiro que é cristã!
julia melo | 11/06/2015 - 14h08
Como o movimento LGBT, vai ter moral agora após tamanha intolerância? Vocês agiram como na Lei de Talião " dente por dente, olho por olho,que vergonha.
Ruan Silva | 11/06/2015 - 13h38
Esses deputados deviam ser processados mesmo, quando o povo vai protestar eles riem da cara do povo e manda e tacar spray de pimenta, e agora eles vem querer protestar.