Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Política > Câmara aprova cláusula de desempenho para acesso ao Fundo Partidário
28/05/2015 - 21h58

Câmara aprova cláusula de desempenho para acesso ao Fundo Partidário

Terão direito aos recursos do fundo e ao tempo gratuito de rádio e TV apenas as siglas que elegerem ao menos um representante no Congresso

Gustavo Lima/Câmara dos Deputados
Sessão para análise e discussão da Reforma Política
Deputados aprovaram mais um tema da proposta de reforma política, que está sendo votada em primeiro turno no Plenário

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (28), por 369 votos a 39 e 5 abstenções, a cláusula de desempenho segundo a qual o acesso dos partidos aos recursos do Fundo Partidário e a tempo gratuito de rádio e TV dependerá da eleição de, ao menos, um representante em qualquer das Casas do Congresso Nacional.

O partido também deverá ter concorrido com candidatos próprios à eleição para a Câmara dos Deputados.

O texto aprovado faz parte do substitutivo do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a proposta de emenda à Constituição da reforma política (PEC 182/07). Os deputados continuarão a votação da reforma, tema a tema, na segunda semana de junho.

Como é hoje
Atualmente, o acesso ao Fundo Partidário é disciplinado em lei e garante o rateio de 5% dos recursos do Fundo Partidário a todos os partidos políticos com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os outros 95% são distribuídos segundo a votação obtida para a Câmara dos Deputados.

Quanto ao acesso ao rádio e à TV, a Lei 9.504/97 prevê a distribuição de maneira semelhante. Nos anos de eleições, 2/3 do tempo destinado à campanha é dividido proporcionalmente à bancada de cada partido na Câmara, permitindo-se a soma do tempo dos partidos em coligação.

Do tempo restante, 1/3 é dividido igualitariamente entre os partidos e outros 2/3 proporcionalmente ao número de representantes eleitos no pleito anterior. A norma procura beneficiar a fidelidade partidária.

Se a regra constitucional for promulgada, a lei terá de disciplinar uma nova forma de divisão do tempo e dos recursos do Fundo Partidário.

Coligação eleitoral
Em outra votação realizada nesta quinta-feira, o Plenário rejeitou, por 236 votos a 206 e 5 abstenções, destaque do PSDB que pretendia acabar com a coligação eleitoral nos cargos para o Legislativo (deputados federais, estaduais e vereadores).

O texto defendido pelo partido assegurava coligações eleitorais nas eleições majoritárias (prefeito, governador, presidente da República, senador).

Duração de mandatos
A maior polêmica das votações ficou por conta do primeiro item, a duração de mandatos eletivos, que acabou ficando para junho. Inicialmente, o Plenário começou o processo de votação de emenda do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), que fixa em cinco anos os mandatos executivos e de vereadores, deputados estaduais, distritais e federais.

Como antes da série de votações da reforma política os líderes entraram em acordo para não propor mudanças no mandato de senador, com a contrapartida por parte do Senado em relação aos deputados, a emenda não estende os cinco anos para senadores, que continuariam com mandato de oito anos.

Entretanto, devido ao aumento do mandato dos deputados para cinco anos, o mandato de oito anos dos senadores não coincidiria com a legislatura de cinco.

Entenda a tramitação de PECs

Íntegra da proposta:

Reportagem – Eduardo Piovesan
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Luiza Rabelo | 29/05/2015 - 16h04
Infelizmente o bom senso nunca se prevalece. Sobre a Reforma Política não sei porquê ainda me surpreendo com as atitudes daqueles que estão parlamentares. Se acham acima da lei, perdem tempo e gastam dinheiro para não efetuar nenhuma mudanças significativa. Tenho certeza que fizeram "ouvidos moucos", pois o que a população mais pediu não foi atendido: FIM DA REELEIÇÃO PARA O EXECUTIVO E LEGISLATIVO também. Portanto, tudo continuará como "dantes na terra de Abrantes", ou seja nada será modificado. Pobre Brasil!!! As pessoas votaram, quiseram e enfim terão.
Joaquim Carvalho | 29/05/2015 - 16h02
Sepultaram mesmo a ReformaPolitica.A lsita aberta continua,as coligações tambem e o fiananciamento de Empresas tambem a clasula de desempenho permitirá que em 2018 sejam eleitos(as) parlamentares de mais de 30 partidos para deputado federal.Como são medrosos os representantes das empreiteiras,Costgrutoras e Bancos.Ainda não saimos do Seculo XVIII.O primeiro Estado se agrra com unhas e dentes para manter suas mordomias e privilégios.As campanhas continuarão bastantes caras e continua as coligações por tempo de radio e TV e as legendas de aluguel.Mas a luta continua.
Coincidência das Eleições em 2022 | 29/05/2015 - 12h43
2022 é melhor para coincidir as eleições, pois em um mandato de 2 anos tem-se que o 1º ano é regido pelo orçamento do mandato anterior e no último se tem as limitações eleitorais, então para coincidir as eleições um mandato excepcional de 6 anos é melhor. Os mandatos dos eleitos nas eleições municipais de 2016 devem durar 6 anos para terminarem junto com os dos eleitos nas eleições estaduais e federais de 2018 para coincidirem as eleições municipais com as estaduais e federais em 2022 e, a partir de 2022, mandatos de 5 anos para todos os cargos do executivo e do legislativo, até dos senadores.
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal