Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Política > Presidente e líderes decidem votar orçamento impositivo na próxima semana
  • Compartilhar no Google+
04/11/2014 - 20h08

Presidente e líderes decidem votar orçamento impositivo na próxima semana

A intenção do presidente Henrique Alves era votar o texto nesta semana, mas a maioria dos líderes pediu mais tempo para negociar um acordo e evitar disputas no Plenário.

J.Batista / Câmara dos Deputados
Presidente Henrique Eduardo Alves e líderes partidários definem pauta de votações
A proposta obriga o governo federal a pagar as emendas apresentadas por deputados e senadores ao Orçamento da União.

Os líderes partidários decidiram nesta terça-feira (4) adiar para a próxima semana a votação da Proposta de Emenda à Constituição 358/13, do Senado Federal, conhecida como a PEC do Orçamento Impositivo.

A intenção do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, era votar o texto nesta semana, mas a maioria dos líderes pediu mais tempo para negociar um acordo e evitar disputas no Plenário. A proposta obriga o governo federal a pagar as emendas apresentadas por deputados e senadores ao Orçamento da União.

Henrique Alves defende a aprovação do texto aprovado pelos senadores sem alterações, pois as mudanças fariam a matéria voltar ao Senado, inviabilizando a aprovação da PEC neste ano.

Alves quer votar PEC antes de deixar a Câmara
Na semana passada, Henrique Alves comunicou aos ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Relações Institucionais) sua intenção de concluir a votação da matéria antes de deixar a Presidência da Câmara. A aprovação do orçamento impositivo foi o principal compromisso de Alves quando assumiu o cargo.

Segundo Henrique Alves, o ministro Berzoini solicitou um prazo, em nome do governo. “Se eu colocar a PEC em votação, em um clima assim, haverá obstrução pelo governo e não podemos correr o risco de ter uma obstrução, pois não votaremos nada”, afirmou Henrique Alves.

Henrique Alves disse ainda que considerou o prazo razoável “para que se possa votar essa PEC tão importante para o País”.

Votação de destaques
Pelo texto da PEC, o governo terá de pagar até 1,2% da receita corrente líquida realizada no ano anterior em emendas, desde que metade desse dinheiro seja voltado para a saúde.

O texto base da PEC foi aprovado em 1º turno em maio deste ano, mas falta a votação de dois destaques. Um deles, apresentado pelo DEM e apoiado pela bancada da saúde, quer retirar da PEC os limites mínimos de recursos da União a serem investidos em saúde. Esses parlamentares preferem a definição dos limites por uma lei, como é hoje, por ser uma norma mais fácil de ser alterada.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Thyago Marcel
Edição – Regina Céli Assumpção

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

luis cesar kupeka | 10/11/2014 - 21h35
vai e não volte mais henrique alves
Daniel Nunes | 05/11/2014 - 13h55
Que a Pec do orçamento impositivo seja de fato algo positivo para o país. Deve haver uma maior fiscalização dos órgãos de controle e da sociedade sobre esses recurso, pois no mundo popular esse dinheiro algumas vezes serve de caixa dois.
Décio | 04/11/2014 - 21h59
Será que ele se lembra do que prometeu colocar em votação antes de se aposentar ?
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal