Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Política > Deputados saem da visita a José Dirceu com opiniões divergentes
29/04/2014 - 20h48 Atualizado em 30/04/2014 - 15h52

Deputados saem da visita a José Dirceu com opiniões divergentes

Durante a visita, o ex-ministro falou sobre sua rotina e o trabalho para reduzir a pena.

Gabriela Korossy / Câmara dos Deputados
Parlamentares da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Humanos visitam o Complexo Penitenciário da Papuda
Responsáveis pelo presídio negaram ponto por ponto as denúncias de regalias publicadas pela imprensa.

Cinco deputados integrantes da Comissão de Direitos Humanos e Minorias visitaram o presídio da Papuda nesta terça-feira (29) para apurar denúncias de que o o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu tem regalias e saíram com opiniões divergentes.

Nilmário Miranda (PT-MG), Jean Wyllys (Psol-RJ) e Luiza Erundina (PSB-SP) disseram ter constatado que ele não teve nem tem nenhum privilégio. Erundina afirmou que, ao contrário, ele tem menos direitos que os demais presos, justamente para não passar a impressão de que é privilegiado.

Já a deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) disse que ele tem vários privilégios, por ter uma cela individual e bem maior que as outras. "É praticamente uma cela cinco estrelas", disse.

O deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA) avaliou que ele não tem regalias, propriamente, mas que está em situação muito melhor que a grande maioria dos presos brasileiros, inclusive porque o presídio é melhor que a média. "Não há regalias. A única coisa que eu gostaria é que os demais presos do País tivessem essas condições", afirmou.

“Sou um preso exemplar”, diz José Dirceu 

Denúncias de regalias
Os deputados foram recebidos pelo coordenador-geral do Sistema Penitenciário do Distrito Federal, João Feitosa, e pelo diretor da unidade onde Dirceu está preso, Marcory Geraldo Mohn. Durante quase uma hora de conversa, os responsáveis pelo presídio negaram ponto por ponto as denúncias de regalias publicadas pela imprensa, desde o uso de celular até um café da manhã diferenciado.

A principal acusação foi a de que Dirceu teria falado no celular em 6 de janeiro com James Correia, secretário da Indústria da Bahia. Feitosa disse que foi aberta uma investigação e que foi constatado que a informação era falsa. Segundo ele, esse não era um dia de visitas e Dirceu teve contato apenas com dois advogados, no parlatório, separados por um vidro.

Quanto à alimentação, garantiram que é a mesma dos outros presos. Assim como os demais presos, segundos os diretores, Dirceu melhora sua alimentação comprando produtos de uma cantina pequena que funciona no presídio – pão de queijo, chocolate, algumas frutas e biscoitos, por exemplo. As visitas são semanais. Nessas ocasiões, cada preso pode receber até R$ 125,00 de parentes para gastar na cantina.

A cela que Dirceu ocupa tem um pouco mais de 20 metros quadrados (cerca de 4m x 5m) e é bem maior que a dos demais presos, que tem 15 metros quadrados. Além disso, Dirceu fica sozinho, e os demais compartilham com quatro e até cinco presos, embora as celas sejam menores.

Os diretores explicaram que a unidade ocupada por Dirceu, que tem cinco beliches, era uma cantina que foi transformada em cela para receber os oito presos do regime semiaberto do chamado mensalão. Com o tempo eles foram transferidos, e Dirceu ficou sozinho.

Eles disseram que o ex-ministro fica sozinho por ser vulnerável, em razão da sua visibilidade. Se tivesse contato com outros presos, segundo eles, estaria correndo risco.

A comissão agora vai discutir o relatório da visita, que deverá ser encaminhado ao relator do processo do mensalão, o presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa.

Pedido da família
A visita foi proposta pelo deputado Nilmário Miranda, que atendeu pedido dos filhos de Dirceu, o deputado Zeca Dirceu (PT-PR) e Joana Saragoça. Eles argumentam que o pai está em regime fechado, apesar de ter sido condenado ao semiaberto, e queriam que a comissão constatasse que ele não tem privilégios na prisão.

Nilmário disse ter chegado a essa mesma conclusão. Jean Wyllys, que concorda com Nilmário, assinalou que por ser da oposição sua opinião é isenta (de que não há privilégios). Wyllys acrescentou que os deputados Arnaldo Jordy e Mara Gabrilli partidarizaram a visita.

Dirceu está no Centro de Internamento e Reeducação (CIR), uma das quatro unidades do complexo da Papuda. Estão presos nessa unidade pouco mais de 1.600 pessoas, todas condenadas ao regime semiaberto. Muitos trabalham lá dentro mesmo, como Dirceu, e a maioria está desocupada, ficando no banho de sol, por falta de vagas ou de qualificação, segundo a direção do presídio.

Quando os deputados chegaram, o ex-ministro estava assistindo ao jogo Bayern de Munique X Real Madrid em uma TV de 20 polegadas que fica em sua cela.

Reportagem - Wilson Silveira
Edição – Regina Céli Assumpção

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Candido Luiz Santos Malta | 10/05/2014 - 18h30
CONCORDO COM O COMENTÁRIO SÓBRIO DO SR SIDNEY, EMBORA EU TENHA UM SOBRINHO PRESO EM ÁGUA SANTA NO RJ PORTANTO TUBERCULOSE E SEM O MÍNIMO TRATAMENTO. SERÁ QUE ALGUM DEPUTADO QUER VER ISSO? MEU SOBRINHO É DEPENDENTE QUÍMICO, MAS ESTÁ ENQUADRADO NO 155 PORQUE ESTAVA FURTANDO DROGAS EM UMA DROGARIA EM COPACABANA/RJ.
Francisco Pereira Monteiro | 10/05/2014 - 11h48
Considero justo o comentário do Sr. Sidney. Quer estejamos do lado da "situação", quer da "oposição", necessário se faz reconhecer que a situação dos presídios brasileiros é de penúria total. Se fôssemos tripudiar sobre a situação do Sr. José Dirceu e outros "sentenciados do mensalão", só por serem do PT, estaríamos correndo o risco de esquecer que os outros brasileiros é que acham-se em situação indigna.
Sidney | 01/05/2014 - 04h07
Creio que se ele tem "regalias" do tipo um tratamento humano, comida decente e respeito o que esta errado é o tratamento dado aos encarceirados em geral. O fato de ter sido condenado representa o reconhecimento legal de que Dirceu mereceu uma punição por seus erros para com a sociedade, mas não devemos crucifica-lo e seguir noticias sensacionalistas para criarmos um juizo de valor a respeito. A condenação de parlamentares ja é algo historico, nao manchemos essa vitoria sendo justiceiros que não observam os principios e objetivos legais pois ai entao seremos tao criminosos quanto quem punimos
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal