Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

09/03/2018 - 11h05

Projeto susta decreto que converteu multa ambiental em investimentos

Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados
Grande Expediente - Dep. Marco Maia (PT - RS)
O deputado Marco Maia é o autor do projeto que susta o decreto presidencial

O Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 815/17, em tramitação na Câmara dos Deputados, susta o Decreto 9.179/17, assinado pelo presidente Michel Temer, que permite a conversão de multas ambientais não quitadas, aplicadas pelo Ibama, em investimentos ambientais (como reparação de áreas degradadas), com desconto de até 60%.

O projeto é de autoria do deputado Marco Maia (PT-RS). Para ele, o decreto presidencial foi motivado por interesses políticos do presidente, que o assinou dois dias antes de o Plenário da Câmara analisar a autorização para o Supremo Tribunal Federal (STF) processá-lo por crime comum. O deputado alega que Temer, com a medida, buscava o apoio de deputados ligados a grandes produtores rurais.

Ele disse que o montante de dívidas em multas ambientais acumuladas por fazendeiros era de R$ 4,6 bilhões. “Tira-se dinheiro do povo pobre e necessitado para dar para os empresários criminosos”, disse.

A Constituição dá ao Congresso o poder de sustar atos do Executivo que exorbitem o poder regulamentar ou os limites previstos na legislação.

Decisão
Na época da edição do Decreto 9.179/17, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, afirmou que as dificuldades no recolhimento das multas ambientais geravam um passivo financeiro e uma sensação de impunidade, anulando o seu poder dissuasório e os benefícios ambientais.

A União, segundo ele, conseguia arrecadar apenas 5% do total das multas aplicadas, principalmente de pequenos infratores.

Tramitação
O PDC 815/17 será analisado inicialmente pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; e Constituição e Justiça e de Cidadania. Se aprovado, segue para o Plenário da Câmara.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Janary Júnior
Edição - Marcia Becker

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'