Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

10/10/2017 - 21h16

Clima: comissão vai debater contribuição do Congresso para cumprimento das metas do Acordo de Paris

Jefferson Rudy/Agência Senado
Comissão Mista de Mudanças Climáticas
Representantes de países deram exemplos de como estão investindo mais em economia de baixo carbono

Durante debate na Comissão Mista de Mudanças Climáticas, nesta terça-feira (10), o embaixador da Alemanha no Brasil, Johann Witshel, afirmou que é possível movimentar a indústria dentro de um contexto de energia limpa, e que seu país vem investindo cada vez mais nessa realidade.

“Quando falamos que o nosso objetivo é uma descarbonização da economia, não significa desindustrialização, mas sim modernização. Proteção climática já é um motor da economia. Na Alemanha temos agora mais emprego na greeneconomy, economia verde, do que no setor automobilístico”, explicou.

A economia de baixo carbono já contabiliza investimentos significativos em países como França e Alemanha e vem ganhando impulso no Brasil.

Os países buscam investimentos cada vez maiores nesse tipo de economia para cumprir o Acordo do Clima, firmado em 2015, durante a COP 21, na França. Nele, mais de 190 países se comprometeram a reduzir significativamente suas emissões de gases de efeito estufa.

Marrocos e França
O embaixador do Marrocos, Nabil Adghoghi, afirmou que a meta do país é atingir a marca de 52% do seu abastecimento em energias limpas até 2030. Ele reconheceu que a Conferência da ONU sobre Mudança do Clima, sediada no Marrocos em 2016, impulsionou a transição energética do país.

Já o ministro-conselheiro da embaixada da França, Gilles Pecassou, lembrou que a Lei de Transição Energética do país prevê 75% da matriz energética limpa até 2050.

Decisões econômicas
Ao afirmar que o Brasil pode movimentar cerca de R$ 950 bilhões nessa nova economia, o secretário de Mudança do Clima do Ministério de Meio Ambiente, Everton Lucero, pediu mais envolvimento no tema das áreas econômicas e de planejamento do governo.

“É preciso convencer mais as autoridades nacionais da área econômica e financeira que esse é um tema relevante e que é necessário migrar para a centralidade das decisões do País. Não pode mais continuar sendo considerado como uma externalidade ambiental”, afirmou.

O presidente da Comissão Mista de Mudanças Climáticas, senador Jorge Viana (PT-AC), confirmou que o colegiado vai promover um evento durante a COP 23 para debater como o Congresso Nacional pode contribuir com o cumprimento das metas do Acordo de Paris pelo Brasil.

A Conferência das Partes da ONU sobre Mudanças Climáticas acontecerá entre os dias 6 e 17 de novembro, em Bonn, na Alemanha.  

Da Redação - RN
Com informações da Agência Senado

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'