Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

01/06/2017 - 16h31

Meio Ambiente: debatedores querem rejeição à venda de carros a diesel no País

A permissão para comercialização de veículos leves de passeio está prevista em projeto que é analisado por comissão especial da Câmara

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o PL 1013/11, que proíbe o consumo de óleo diesel em veículos de pequeno porte
Presidente da comissão de Meio Ambiente, Nilto Tatto (C) criticou tramitação do projeto, relatado por Evandro Roman (2º à dir.)

Participantes de audiência pública da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável defenderam nesta quinta-feira (1º) a rejeição de projeto de lei (PL 1013/11) que permite a venda de carros de passeio movidos a diesel no Brasil.

A proposta está sendo analisada em uma comissão especial da Câmara, na qual o relator, deputado Evandro Roman (PSD-PR), recomenda a aprovação do texto. Roman foi à audiência pública e explicou sua posição.

"Nesta linha do respeito à Constituição, o artigo 5º diz que você tem o direito de escolha, e o Brasil é o único país que não dá esse direito do carro a diesel”. Segundo Roman, a tecnologia atual tornou o diesel bem menos poluente que a gasolina.

Mas a representante do Ministério do Meio Ambiente, Letícia de Carvalho, disse que, embora emitam menos gás carbônico, veículos movidos a diesel liberam no ambiente óxidos de nitrogênio em concentração muito alta, além de material particulado fino. Segundo ela, esse material penetra mais fácil no organismo, causando várias doenças.

Efeitos nocivos
Diretor do Departamento de Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, Miguel Ivan de Oliveira disse que os países que usam diesel em carros pequenos estão revendo a sua política por causa dos efeitos nocivos ao meio ambiente e à saúde das pessoas.

"O diesel só é mais barato porque tem um subsídio comparado com os outros tipos de combustíveis. E isso ocorre para a comida chegar mais barata no prato. Nenhuma montadora no Brasil se arriscaria a vender um carro que tem que acabar em dez anos, que está em extinção. Isso seria para o carro importado, que geraria empregos lá no país de primeiro mundo até o payback (retorno de investimento) da fábrica vencer, e aí não exportaria mais."

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o PL 1013/11, que proíbe o consumo de óleo diesel em veículos de pequeno porte. Diretor do Departamento de Biocombustíveis da Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis do MME - Ministério de Minas e Energia, MIGUEL IVAN LACERDA DE OLIVEIRA
Miguel Oliveira, do Ministério de Minas e Energia: melhor caminho é investir em biocombustíveis

Oliveira defendeu o caminho atual do Brasil em direção aos investimentos em biocombustíveis. Essa política, explicou ele, fará com que o País contribua para a meta da Conferência do Clima de Paris de reduzir em até 43% a emissão de gases de efeito estufa até 2030.

Davi Martins, do Greenpeace, avaliou que os cenários do futuro apontam para o uso de carros híbridos, movidos a eletricidade e biocombustível, ou totalmente elétricos.

Acordos internacionais
Presidente da Comissão de Meio Ambiente, o deputado Nilto Tatto (PT-SP) criticou o fato de o projeto estar sendo examinado por uma comissão especial criada pelo ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha; após ter sido rejeitado pela comissão que preside.

"A linha em que está indo o relatório desse projeto na comissão especial é completamente contra o que o Brasil assumiu de compromissos internacionais, seja nos objetivos do desenvolvimento sustentável, seja na agenda do clima; como também do que estão fazendo nos demais países do ponto de vista de investimentos, tecnologia e inovação."

O projeto que autoriza a venda de carros a diesel no Brasil estava sendo analisado pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, mas teve alterada sua tramitação quando foi criada a comissão especial, em 2015. 

Íntegra da proposta:

Reportagem - Sílvia Mugnatto
Edição - Rosalva Nunes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erasmo Neto | 06/06/2017 - 09h31
Depende do tipo de Petróleo possível extrair no Brasil;leve ou pesado?Qual a profundidade para extrair?Hoje devido as leis do meio ambiente,o sistema de injeção nos motores exigem pressão elevada para tornar a queima do combustível mais completa,isso gera mais ruídos externos e internos,elevando o peso do veiculo devido as necessidades de mais materiais isolantes.Trabalhei com caminhões com motores movidos por diesel e gasolina,os a gasolina eram bem melhores inclusive no inverno,dependendo do tipo de diesel pode congelar.Sem falar do peso das baterias,somando tudo é melhor etanol ou gasolina.
Andre de Jesus Sarmanho dos Santos Freire | 05/06/2017 - 13h27
Os debatedores, infelizmente,estão equivocados.A utilização do diesel como combustível de veículos leves será de grande valia para o país,pois trará reflexos benéficos imensos na economia e,além do mais,o País poderá consumir mais o nosso petróleo,nossa imensa riqueza energética,pois esse produto é apenas um dos diversos mais que compõem a cadeia do petróleo.Ambientalistas irresponsáveis e antipatrióticos, não atrapalhem o desenvolvimento do País,deixem o Brasil enriquecer e se tornar uma grande potência mundial,não repitam discursos de estrangeiros que desejam que forneçamos só matéria-prima.
Erasmo Neto | 02/06/2017 - 10h44
O Brasil é um pais sem tecnologia de ponta.O Brasil recebe pacotes prontos do exterior.Somo regidos pelo sistema do estado de direito,quem investe em inovação registra através de marcas e patentes internacionais,possuem direitos sobre elas.A base para entender é fácil esta na Bíblia;deus repousa no 7 dia,assim como os semi deuses repousam nos 7 países mais industrializados.A palavra dia,salvo engano em grego significa entre, na época só existia 7 símbolos no sistema numérico,confira o sistema numérico romano.Políticos estão interessado em não perder direitos dos contratos de revenda nacionais