04/09/2015 - 17h46

Vegetarianos defendem na Câmara redução do consumo de produtos industrializados

Lucio Bernardo Junior / Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre os caminhos do vegetarianismo no Brasil e suas consequências na saúde e sustentabilidade da economia brasileira. Nutricionista e Membro da Sociedade Vegetariana Brasileira, Ana Ceregatti
Ana Ceregatti comemora guia alimentar do Ministério da Saúde, que recomenda a diminuição do consumo de produtos ultra processados e inclui o vegetarianismo como dieta a ser seguida.


Em audiência pública promovida pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados, representantes da Sociedade Vegetariana Brasileira defenderam a redução do consumo de produtos industrializados por brasileiros.

De acordo com a nutricionista Ana Ceregatti, que faz parte da associação, a alimentação regular do brasileiro não é saudável e o aumento do consumo de produtos industrializados como macarrões instantâneos e massas congeladas, piora ainda mais esse quadro.

O deputado Daniel Coelho (PSDB-PE), que solicitou a realização da audiência pública, assinou a carta-compromisso da Sociedade Vegetariana Brasileira.

O documento cobra políticas de incentivo ao vegetarianismo, a eliminação do tratamento privilegiado concedido às atividades pecuárias, posicionamento dos órgãos de saúde e nutrição validando a alimentação vegetariana e a rotulagem de produtos explicitando a presença ou ausência de ingredientes de origem animal.

Dieta vegetariana
Ana Ceregatti comemorou o mais recente guia alimentar feito pelo Ministério da Saúde, publicado no fim do ano passado, que recomenda a diminuição do consumo de produtos ultra processados e inclui o vegetarianismo como dieta a ser seguida.

Lucio Bernardo Junior / Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre os caminhos do vegetarianismo no Brasil e suas consequências na saúde e sustentabilidade da economia brasileira. Dep. Daniel Coelho (PSDB-PE)
Daniel Coelho: assinou a carta-compromisso da Sociedade Vegetariana Brasileira, que cobra incentivo ao vegetarianismo e a eliminação do tratamento privilegiado às atividades pecuárias.


Segundo a nutricionista, as pessoas que não comem carne são mais magras, praticam mais atividades físicas, fumam menos, bebem menos e tendem a ter menos problemas de saúde, o que proporciona aos vegetarianos uma longevidade maior.

Crianças obesas
Segundo pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde em 2014, 50,8% dos brasileiros estão acima do peso ideal. Dentre esses brasileiros, 17,5% estão obesos.

O aumento de crianças obesas também preocupa Ana Ceregatti, que aponta o principal erro como sendo cultural. Ela critica que logo no primeiro aniversário de uma criança sejam oferecidos bolos e brigadeiros, alimentos ricos em açúcar.

A nutricionista recomenda que não se ofereça nada com açúcar, e nenhum produto industrializado até o segundo ano de vida das crianças. Segundo a Escola Paulista de Medicina, 56% dos bebês com até um ano, recebem Coca-Cola na mamadeira.

Causas de morte
Diante desse cenário, Ana Ceregatti se preocupa com as principais causas de morte dos brasileiros nos últimos anos. "As doenças do aparelho circulatório são a principal causa de morte dos brasileiros, seguida dos cânceres e, em quinto lugar, doenças que a obesidade está inserida. Ou seja, pessoas morrem de infarto, de AVC e, além do câncer que também pode ter sua causa ligada a maus hábitos alimentares, as pessoas morrem por diabetes ou de outras complicações decorrentes dessas condições de saúde."

Para o deputado Daniel Coelho, alguns mitos relacionados ao vegetarianismo precisam desaparecer do cotidiano das pessoas. "Há muita ignorância sobre o tema, quando a gente discute a questão do vegetarianismo. É normal escutarmos das pessoas que a dieta vegetariana pode provocar doenças, que a pele da pessoa vai ficar amarela, que a pessoa vai ficar fraca e não vai conseguir praticar atividades físicas. São muitos mitos. Eu já vi exemplos de atletas de alto rendimento que são vegetarianos e não é por isso que a capacidade física deles será inferior aos que estão consumindo carne."

Reportagem - Pedro Campos
Edição – Regina Céli Assumpção

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Neusa | 09/09/2015 - 15h57
Sou vegana e acredito que além de diminuir o consumo de industrializados, devia também ter mais informações nos rótulos dos produtos. Como por exemplo ; se tem alguma coisa de origem animal, se é testado em animais, ter sempre o símbolo se o produto for transg?nico, e demais informações. Pelo tanto de impostos que pagamos temos SIM direito de receber todas as informações sobre tudo que compramos.
jarlus | 09/09/2015 - 14h53
É uma questão de saúde pública o consumo desses enlatados de forma indiscriminada postas em prateleiras da sociedade de consumo...