Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

25/09/2017 - 15h32

Minas e Energia define prioridades para uso das águas da transposição do São Francisco

Arquivo/Luis Macedo
Betinho Rosado
Betinho Rosado, energia é indispensável para todas as atividades desenvolvidas

A Comissão de Minas e Energia aprovou projeto de autoria do deputado Adail Carneiro (PP-CE) que define os usos prioritários das águas originadas do processo de integração do rio São Francisco (PL 483/15).

Pelo texto aprovado, as águas deverão servir para atender as seguintes necessidades:
• abastecimento humano;
• dessedentação animal ( para mitigar a sede dos animais);
• irrigação agrícola;
• saneamento público;
• piscicultura; e
• demais usos.

Energia elétrica
O relator, deputado Beto Rosado (PP-RN), recomendou a aprovação do projeto e manteve as alterações propostas pelas comissões anteriores.

A nova versão do texto apenas restabelece outra ordem de prioridades para o aproveitamento das águas resultantes da integração do rio São Francisco, sem proibir seu uso para a produção de energia elétrica (desde que haja suficiente disponibilidade de recursos hídricos).

“O correto e adequado abastecimento de água é condição essencial não apenas para a manutenção da vida, como também para o desenvolvimento de qualquer atividade produtiva humana”, afirmou Rosado.

Segundo o relator, a energia é outro item cujo correto abastecimento torna-se, também, indispensável para praticamente todas as atividades desenvolvidas pelo ser humano.

"Ela é indispensável até mesmo, por exemplo, para realizar o bombeamento de água destinada ao abastecimento de muitos mananciais e reservatórios que servem às populações nas cidades e nos campos”, explicou o relator.

Tramitação
O projeto ainda será analisado, de forma conclusiva, pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. 

Íntegra da proposta:

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição - Rosalva Nunes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Rosângela Barbosa Gomes | 26/09/2017 - 00h21
Seria muito mais lógico se houvesse o aproveitamento do sol para produção de energia. Todo o Brasil, principalmente a região do sertão nordestino possui insolação com um imenso potencial que não é aproveitado. Seria bem menos custoso que a construção de hidrelétricas, além de liberar a água para os consumos humano e animal e para a agricultura e a piscicultura. Seria também mais eficaz a energia fotovoltaica do que a energia eólica. A prioridade maior, entretanto, é revitalizar urgentemente o Rio São Francisco, reflorestar desde a nascente e por toda sua extensão, antes que o rio desapareça.