Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

14/04/2010 - 19h20

Obras de Angra 3 já começaram e usina deve funcionar até 2015

Representante da Eletronuclear explicou aos integrantes do Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara o andamento das obras na usina nuclear.

A usina nuclear de Angra 3 deve manter o cronograma inicial de construção e iniciar suas operações até maio de 2015, informou nesta quarta-feira, em evento na Câmara, o assessor da Eletronuclear Leonam Guimarães. O começo das obras, previsto para dezembro do ano passado, chegou a ser adiado em razão da falta de uma licença da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).

“A autorização já foi concedida e a usina está sendo levantada”, disse Leonam durante reunião do Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara. O assessor explicou aos parlamentares o que ele considera as vantagens do desenvolvimento da energia nuclear no Brasil. Para o especialista, a energia gerada pelas usinas nucleares é complementar àquela produzida pelas usinas hidrelétricas no País.

Se seu navegador não puder executar o áudio, <a href='http://www2.camara.gov.br/agencia/audios/127feaf77ea.mp3' _fcksavedurl='http://www2.camara.gov.br/agencia/audios/127feaf77ea.mp3'>obtenha o áudio</a> e salve-o em seu computador.
Ouça trecho de reportagem especial da Rádio Câmara sobre as perspectivas do programa nuclear brasileiro. Para ouvir a íntegra, clique aqui.
Irregularidades na oferta
A ideia é que a energia nuclear pode evitar as irregularidades na oferta de energia hidrelétrica, que varia de acordo com a quantidade de chuvas e com os locais de precipitação. “As usinas nucleares são como um seguro que temos que pagar para que não aconteça o que aconteceu em 2000”, disse o assessor, referindo-se ao apagão ocorrido na época, quando o fornecimento de energia elétrica ficou prejudicado em boa parte do País.

A construção de Angra 3 começou nos anos de 1970, mas as obras foram paralisadas na década seguinte. A retomada começou em 2007, quando o Conselho Nacional de Política Energética determinou que a Eletronuclear, empresa subsidiária da Eletrobrás, providenciasse as licenças necessárias e tocasse as obras.

De acordo com Magalhães, o governo já gastou cerca de R$ 1,3 bilhão com equipamentos para Angra 3. A previsão é que a construção da usina consuma ainda R$ 8,4 bilhões. Para o assessor, esse investimento pode ser amortizado com lucros em até 15 anos de atividade da usina.

Outras usinas
Novas usinas nucleares ainda devem ser construídas no Nordeste e no Sudeste nos próximos anos. As negociações estão mais avançadas no Nordeste, e a Eletronuclear já mapeou locais que podem receber centrais nucleares nos estados da Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas.

Cada central pode abrigar até seis usinas nucleares. A previsão, segundo Magalhães, é que a primeira usina do Nordeste esteja em operação em 2019. Já a primeira da região Sudeste deverá começar a funcionar até 2023.

Reportagem - Carolina Pompeu
Edição - Newton Araújo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'