Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

05/07/2016 - 15h44

Ex-presidente da CBF será convocado para depor na CPI da Máfia do Futebol

Assista ao vivo
O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Máfia do Futebol, deputado Laudívio Carvalho (SD-MG), disse há pouco que o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, foi convocado, como investigado, a comparecer ao colegiado em 19 de julho.

Teixeira, investigado nos Estados Unidos e na Suíça por suposto envolvimento com o esquema de corrupção na Federação Internacional de Futebol (Fifa), já deixou de ir a uma audiência da comissão em 14 de junho.

Ricardo Teixeira foi presidente da CBF por mais de 20 anos (1989 a 2012) e deve depor como convocado para explicar, por exemplo, as denúncias de recebimento de propina em contratos de marketing esportivo, além de irregularidades na campanha que levou o Brasil a sediar a Copa do Mundo em 2014.

Em junho, advogados do ex-dirigente apresentaram à CPI um atestado médico que informa sobre a internação de Teixeira no Hospital Israelita Albert Eintein, em São Paulo, na segunda-feira, para a realização de uma cirurgia.

Estádios

A reunião de hoje na comissão, sobre superfaturamento em obras de estádios para a Copa do Mundo de 2014, ouvirá somente o diretor-geral da MCA Auditoria e Gerenciamento, Márcio Alves, empresa responsável pela reforma da Arena da Baixada, em Curitiba (PR).

O outro convidado, presidente da Via Engenharia S/A (uma das empresas que integrou o consórcio que reformou o Mané Garrincha em Brasília), Márcio Queiroz, justificou sua ausência e deverá vir em outra data, segundo Carvalho.

O deputado Delegado Edson Moreira (PR-MG), que pediu a realização da audiência, quer explicações sobre o processo licitatório, o acompanhamento da obra e a planilha de custo dos estádios construídos para a Copa do Mundo de 2014.

A reunião está sendo realizada no plenário 13.

Mais informações a seguir.

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Mônica Thaty

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'