Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

06/06/2018 - 16h05

Especialista recomenda oferta de café da manhã e uma hora diária de atividade física nas escolas

Alimentação, atividade física e sono adequados contribuem para melhor desempenho escolar, segundo especialista ouvido pela Comissão de Educação da Câmara

Segundo o mestre em neurociências e comportamento Fernando Louzada, a alimentação, a atividade física e o sono são mais importantes do que se imagina para o desempenho escolar da criança e do adolescente.

Ouça esta matéria na Rádio Câmara

A introdução do café da manhã nas escolas diminui as faltas e melhora o desempenho das crianças. A atividade física incrementa o desempenho em matemática e leitura. E isso é passado de uma geração para a outra. Se a mãe pratica atividade fisica, a criança tende a nascer com melhores condições de aprendizagem, segundo Louzada.

Cleia Viana/Câmara dos deputados
Palestra sobre os  Fatores Fisiológicos que Influem sobre a Educação e a Aprendizagem.
Alex Canziani (E) e Fernando Louzada (D) durante o Educação em Debate

O assunto foi discutido na primeira palestra virtual do ano do programa Educação Em Debate, realizado pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (6).

"Esses fatores influenciam a estrutura cerebral. Então ao longo dos primeiros anos de vida, principalmente, o cérebro, as redes cerebrais, as redes neurais são esculpidas e essa mudança, essa plasticidade neural depende desses fatores, de substratos do alimento, da atividade física que muda a vascularização do cérebro e o sono, necessário para consolidar aquilo que a gente aprende, para modificar as redes neurais e melhorar o desempenho cognitivo", explicou.

Rotinas escolares
Além do café da manhã nas escolas, ele sugeriu uma hora de atividade física diária com profissional qualificado e educação em período integral com início às 8h30 da manhã. É o que ocorre na Califórnia, nos Estados Unidos, onde, desde 2014, uma lei estabeleceu o início das aulas às 8h30 da manhã com a justificativa de que crianças e adolescentes precisam dormir de 9 a 10 horas por noite.

O presidente da Frente Parlamentar Mista Pela Educação, deputado Alex Canziani (PTB-PR), comentou a importância dos estudos científicos na definição de políticas para educação.

"Precisamos parar com achismo e temos que ver o seguinte: o que a Ciência comprova? O que a Ciência efetivamente mostra que dá resultado? Temos que dialogar muito com a Ciência para saber o que é viável e necessário", declarou.

Educação em Debate
O próximo programa Educação em Debate, transmitido pela internet e pela TV Câmara, será na quarta-feira (13), às 8 da manhã. A convidada é a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Ines Fini, que vai apontar a contribuição do instituto para a educação brasileira.

Reportagem – Luiz Cláudio Canuto
Edição – Geórgia Moraes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'