Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

08/05/2018 - 20h23

Relator do projeto da Escola sem Partido propõe cartaz em sala de aula com deveres do professor

O deputado Flavinho apresentou seu parecer nesta terça-feira na comissão especial que analisa o tema

O substitutivo ao projeto da chamada Escola sem Partido (PL 7180/14) prevê que cada sala de aula terá um cartaz com seis deveres do professor. O relatório foi apresentado nesta terça-feira (9) pelo deputado Flavinho (PSC-SP) na comissão especial que analisa o tema e agora deverá ser discutido para ser votado.

O primeiro dever sugerido na proposta determina que o professor não poderá cooptar os alunos para nenhuma corrente política, ideológica ou partidária. O texto também altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) para afastar a possibilidade de oferta de disciplinas com o conteúdo de "gênero" ou "orientação sexual".

Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre o PL 7180/14, o projeto de lei da escola sem partido. Dep. Flavinho (PSC - SP)
Flavinho: questão de gênero vem sendo tratada de forma não científica por alguns educadores

Flavinho afirma que a questão de gênero vem sendo tratada de forma não científica por alguns educadores:

"Para os ideólogos do gênero ninguém nasce homem ou mulher, torna-se. É perfeitamente possível, afirmam, alguém ter sexo masculino como herança biológica e adotar o gênero feminino enquanto construção social e subjetiva e vice-versa. A partir dessa distinção, altamente questionável em termos filosóficos e científicos, procura-se impor às crianças e adolescentes uma educação sexual que visa descontruir a heteronormatividade e o conceito de família tradicional em prol do pluralismo e diversidade de gênero”, justificou.

Ainda no cartaz que seria afixado nas salas de aula, também estaria previsto que o professor não poderá incitar os alunos a participar de manifestações e também deverá indicar as principais teorias sobre questões políticas, socioculturais e econômicas.

“Ele não deve apresentar o assunto de forma unilateral, parcial ou tendenciosa. Pode, inclusive, argumentar em favor, ou contra, determinada teoria, mas nunca antes de apresentar, de forma justa e séria, as concepções alternativas", explicou o relator.

Docentes deveriam observar também o respeito ao direito dos pais de que seus filhos recebam educação moral de acordo com suas convicções.

As diretrizes teriam repercussão sobre os livros paradidáticos e didáticos, as avaliações para o ingresso no ensino superior, as provas para o ingresso na carreira docente, e as instituições de ensino superior. O projeto inclui na LDB a ideia de que os valores de ordem familiar têm precedência sobre a educação escolar nos aspectos relacionados à educação moral, sexual e religiosa.

Contrários
Deputados contrários ao tema, como Glauber Braga (Psol-RJ), integrante da comissão, têm manifestado que o projeto cria a cultura do medo entre os professores e suprime a reflexão crítica no ambiente escolar.

Pelo substitutivo, a lei entraria em vigor dois anos após aprovada.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Sílvia Mugnatto
Edição - Geórgia Moraes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Felipe Rto Martins | 11/07/2018 - 14h23
Por que não colocar um cartaz parecido p/ os políticos? Por que não aumentar o salário dos professores da educação básica. Este projeto é uma aberração...! Lamentável.
Cccc | 09/05/2018 - 23h57
Acho importante ter cartaz de orientação, quem não deve não teme, os políticos tem o povo,os órgãos públicos, as crianças são fáceis de ser manipuladas. Parabéns!!!
Glaucia Maria Sirigato | 09/05/2018 - 14h59
Que tal colocar um cartaz em todos os gabinetes dos políticos dizendo: ATENÇÃO SR. POLÍTICO NÃO SE ESQUEÇA QUE VOCÊ FOI ELEITO PARA REPRESENTAR A POPULAÇÃO DE FORMA LÍCITA, TRANSPARENTE, RESPONSÁVEL. ROUBAR É CRIME.