Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

29/03/2017 - 12h35

Educadores se dividem sobre neutralidade do projeto Escola sem Partido

Confederação de escolas privadas defende conteúdos mais científicos no ensino, enquanto representante de escolas cristãs critica “supressão de ideias divergentes”

Durante audiência pública realizada nesta terça-feira (28) pela comissão especial que discute o projeto que institui a Escola sem Partido (PL 7180/14), o jornalista e escritor Leandro Narloch defendeu a “neutralidade da escola em questões ideológicas e partidárias”. Ele acredita que a proposta em debate na Câmara pode ser um mecanismo para proteger os alunos de ideologias dos professores e, assim, garantir a tolerância e o pluralismo de ideias na própria escola.

Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Reunião Ordinária
Os deputados irão debater o projeto nos estados

A questão da neutralidade em temas como política e crença religiosa também foi apoiada pelo representante da Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino, João Luiz Cesarino da Rosa. Para Cesarino, à exceção das escolas confessionais, que as famílias escolhem justamente pelo ensino religioso, as instituições não podem tratar de temas abstratos.

"A escola tem que tratar de temas absolutos, de temas científicos. Eu posso estar aqui, ou em qualquer lugar do mundo, e a química será a mesma, a biologia será a mesma, a matemática será a mesma. Então são temas que não permitem divagações e não permitem o proselitismo. Ou seja, o empenho do professor que já exerce uma influência natural nos alunos, da sua crença pessoal, da sua ideologia, da sua política", afirmou Cesarino.

Pluralidade
Já a secretária-geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil, pastora Romi Benke, criticou o projeto. Em sua opinião, o objetivo da proposta não é garantir neutralidade nas salas de aula, mas suprimir ideias divergentes e o debate sobre questões sociais e de gênero.

Também a coordenadora adjunta da ONG Ação Educativa, Denise Carreira, acredita que o projeto quer cercear o princípio da pluralidade nas escolas. Denise critica o movimento Escola sem Partido, que, segundo ela, está incentivando a notificação extrajudicial de professores que abordam temas que não agradam os defensores da proposta. "Essas notificações foram usadas muitas vezes no que se refere à questão de gênero, ou seja, para interditar, para censurar, para reprimir o debate sobre gênero, sexualidade e raça, e outros temas que abordam as desigualdades estruturais do Brasil, entre elas a concentração de renda", disse.

O relator do projeto, deputado Flavinho (PSB-SP), afirmou que existe uma convergência em torno do texto do projeto, apesar dos pontos de vista diversos. “Apesar de aqueles que são contrários e favoráveis tentarem mostrar de forma ideológica essa defesa, existe muita convergência. Quando a gente sai do texto, aí é onde o debate então entra na subjetividade das ideologias e é onde vejo que não contribui muito para o que precisamos nesta comissão”, observou.

O deputado Flavinho informou ainda que estão previstas audiências em vários estados para debater o tema. A comissão já aprovou requerimento (nº 24/17), de autoria do deputado Mauro Pereira (PMDB-RS), que prevê a realização de seminário em Porto Alegre.

Reportagem - Mônica Thaty
Edição - Roberto Seabra

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erasmo Neto | 29/03/2017 - 18h47
Na doutrina hebraica não existia a palavra deus escrita e sim o tetragrama.Portanto por dedução lógica só após Jesus Cristo ensinar a união de letras consoantes e vogais de origem grega é que os massoretas,converteram a história do povo Hebreu no idioma latino ou ocidental.O Mestre do mestres e dos analfabetos ensinava segundo a Bíblia todos na mesma forma e em todos os lugares.Jesus não é autor e sim mestre dos autores,como do Apostolo Paulo detentor de consciência ampliada documentou:nem tudo que é licito me convém.A imunidade tributária é licita?
Erasmo Neto | 29/03/2017 - 18h22
Doutrinas não possuem temas divergentes.A má interpretação dos textos e a falta de honestidade geram sim as divergências.Ex:quantos assassinados nos regimes comunistas?Quantos no sistema Teocráticos?Só recentemente católicos e protestantes, se autoafirmando cristãos,pararam de se matar entre si,na Irlanda.A linguagem cientifica levou em torno de 18 séc.para ser construída e foi codificada a nova doutrina com base no Livro dos espíritos,com o codinome de Allan Kardec,haja vista para respeitar a linguagem cientifica que,não tem nacionalidade e muito menos autor único e sim múltiplos autores.