Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

20/01/2017 - 15h11

Educação aprova incentivo para escola pública que implantar laboratório de ciências

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Professora Dorinha Seabra Rezende
Professora Dorinha Seabra Rezende: "é preciso que o ente federado planeje seu desenvolvimento educacional"

A Comissão de Educação aprovou proposta que permite a transferência de recursos adicionais do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), do Ministério da Educação, para a instalação, a melhoria e a manutenção de laboratórios de ciências em escolas públicas da rede pública de educação básica.

Segundo o substitutivo apresentado pela deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), as escolas que apresentarem planos de investimento em laboratórios poderão receber assistência financeira adicional do PDDE, observada a disponibilidade orçamentária e financeira e desde que as ações estejam previstas no Plano de Ações Articuladas (PAR) do estado ou município.

A proposta (PL 3898/15), apresentada pelo deputado Edmar Arruda (PSD-PR), altera a Lei 11.947/09, que trata do PDDE e hoje não prevê essa medida. 

Planejamento
O substitutivo insere a proposta no contexto do planejamento das redes escolares, o que não está previsto no projeto original. “É indispensável que esse item de infraestrutura esteja contemplado nas metas de desenvolvimento educacional do ente federado de que as escolas fazem parte. Nesse sentido, é indispensável integrar as disposições desse projeto com a Lei 12.695/12, que dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações Articuladas”, explicou Professora Dorinha.

De acordo com o texto aprovado pela comissão, a assistência financeira prevista na proposta será concedida sem a necessidade de convênio ou instrumento semelhante. Essa parte foi reintroduzida pelo substitutivo na proposta, uma vez que o projeto original a havia retirado da lei.

O Conselho Deliberativo do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) expedirá normas relativas aos critérios de alocação, repasse, execução e prestação de contas da assistência financeira adicional.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado ainda pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Noéli Nobre
Edição - Alexandre Pôrto

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erasmo Neto | 23/01/2017 - 11h45
Estão acordando e saindo do regime politico religioso e alcançando o regime politico cientifico,onde mesmo sendo pobre, o aluno pode se autoinserir diante do estudo dedicado.Sugestão aos alunos gravem tudo,do principio ao fim,registrem se possível em cartórios os planos antes de iniciar os procedimentos.Creio nos jovens brasileiros.Brasil,nação construída pelos expulsos de outras regiões,onde a miscigenação,não fornece base para preconceitos étnicos religiosos.Somos a nova civilização, exemplo a outros ainda atrasados que só repetem os erros do passado,verificado nas guerras e guerrilhas.