Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

02/01/2017 - 10h10 Atualizado em 02/01/2017 - 15h37

Projeto concede reajuste às bolsas para estudantes de pós-graduação

Alex Ferreira / Câmara dos Deputados
Audiência Pública sobre a PL 605/15, que define diretrizes para a política de atenção integral aos portadores de doença de Parkinson no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), e dá outras providências. Dep. Lobbe Neto (PSDB - SP)
Lobbe Neto: desde abril de 2014, o valor das bolsas de pós-gradução não é reajustado

A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei (4559/16) que concede um reajuste anual das bolsas concedidas pelos órgãos federais de apoio à pós-graduação e pesquisa.

Segundo a proposta, do deputado Lobbe Neto(PSDB-SP), o reajuste deverá ser feito no dia 1º de janeiro de cada ano, obedecendo a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), acumulada nos 12 meses anteriores ao mês do reajuste.

O deputado conta que, desde abril de 2014, o valor das bolsas de pós-gradução não é reajustado: “É um longo lapso de tempo, comprometendo significativamente o seu papel em assegurar a tranquilidade dos estudantes e sua dedicação a seus programas de formação”.

Tramitação
A proposta tramita em caráter conclusivo e será analisada pelas comissões de Ciência e Tecnologia; de Comunicação e Informática; de Educação; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Tissyane Scott
Edição – Newton Araújo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Guilherme | 07/04/2017 - 00h05
Claro que nos preocupamos com o valor da bolsa Laura, afinal pesquisa também é trabalho. Se tu for parar pra analisar a tua volta tu vai ver que tudo que tu utiliza no teu dia já passou por uma universidade para ser pesquisado! Nós pesquisamos todos os dias e não há reajuste a 5 ANOS! Quanto aos exemplos que tu citou: cada um luta pelo seu! E te garanto que todos os pesquisadores desse país trabalham muito mais que certos funcionários públicos. Ficar sentado numa cadeira o dia todo não é mais merecedor do que passar meses em laboratório pesquisando para o bem da ciência do país.
Bruna Gomes | 01/04/2017 - 09h12
Claro que tem quem se preocupe, aliás somos nós pós -graduandos que trabalhamos em ciência incansávelmente de segunda a sexta mais de 8 horas por dia e não recebemos sequer um vale transporte. Essa bolsa não é ora alimentar desocupados e sim pra remunerar quem faz ciência no Brasi.Tá do que na hora do reajuste.
Lara Leal | 10/02/2017 - 11h48
Ai ai, enquanto salarios de servidores não são reajustados, o país se acabando em desemprego, uma reforma da previdência terminando de lascar com todo mundo, servidores concursados com família tendo redução de salário, policia militar recebendo R$ 3.000,00 arriscando a vida sem reajuste de salário há anos e tem quem se preocupe com bolsa...