Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Acessível em Libras
  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto
Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Educação e Cultura > Educação rejeita estágio para bolsistas do Fies
  • Compartilhar no Google+
03/11/2014 - 14h31

Educação rejeita estágio para bolsistas do Fies

Relator argumentou que medida criaria gasto extra para o governo e prejudicaria os recursos destinados à educação

Arquivo/ Saulo Cruz
Dr. Ubiali
Para Dr. Ubiali, proposta criaria ônus para o poder público.
A Comissão de Educação rejeitou na quarta-feira (29) proposta do Senado que incentiva estados e municípios a oferecer estágios para estudantes bolsistas do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Prevista no Projeto de Lei 6957/13, a medida tem o objetivo de dar emprego para bolsistas que ainda não estão no mercado de trabalho e garantir que eles tenham como pagar o financiamento.

Entre outros pontos, a proposição estipula que os participantes terão direito a bolsa de R$ 678 para jornada semanal de 20 horas e de R$ 1.356 para 40 horas, valores que poderiam ser pagos com recursos do governo federal. Ao bolsista será permitido desconto mensal de 1% do saldo devedor junto ao Fies.

O relator na comissão, deputado Dr. Ubiali (PSB-SP), recomendou a rejeição da matéria com o argumento de que ela cria ônus para o poder público. Ele explicou ainda que a legislação do Fies (Lei 10.260/01) prevê apenas dois casos em que o saldo devedor pode ser abatido mediante a prestação de serviço: o professor em efetivo exercício na rede pública de educação básica e o médico integrante de equipe de saúde da família.

São profissões, destacou o relator, fundamentais e com reconhecida dificuldade de recrutamento. “O projeto analisado não prioriza áreas socialmente relevantes e, além disso, cria ônus adicional para o poder público, referente à bolsa de qualificação”, afirmou Dr. Ubiali.

Na avaliação do parlamentar, as políticas de emprego implicam outras linhas de ação e fontes de financiamento e não devem utilizar os recursos da educação.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e ainda será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal