Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

15/09/2011 - 16h43

Comissão aprova inclusão de laboratório e ginásio como espaços pedagógicos

Beto Oliveira
Pequeno expediente - dep. Artur Bruno (PT-CE)
Arthur Bruno: é preciso garantir instalações adequadas para as práticas curriculares.

A Comissão de Educação e Cultura aprovou nessa quarta-feira (14) o Projeto de Lei 5344/09, do Senado, determinando que os padrões mínimos de qualidade para cada etapa escolar (creche, pré-escola, fundamental e médio), definidos pela União, incluirão os espaços pedagógicos complementares à sala de aula, como laboratórios de ciências e informática, e ginásios esportivos cobertos.

A proposta foi aprovada na forma de um substitutivo apresentado pelo deputado Artur Bruno (PT-CE), que modifica a Lei de Diretrizes e Base da Educação (LDB - Lei 9.394/96). A LDB determina que a União, em colaboração com estados e municípios, estabelecerá os padrões mínimos de qualidade do ensino fundamental. Com base nos padrões adotados, a União define o custo/ano por aluno, que será complementado pelo governo federal caso os estados não consigam atingir o valor.

O texto aprovado na comissão estende a definição dos padrões para todas as etapas escolares, e não apenas para o ensino fundamental, e exige que o conceito leve em conta toda a infraestrutura básica exigida para a execução de projetos pedagógicos escolares.

De acordo com o relator, o substitutivo abrange o PL 5344/09, que trata apenas da exigência de espaço coberto para atividades esportivas, e outros cinco projetos que tramitam apensados (PLs 1158/11, 5384/09, 6272/09, 7331/10 e 1006/11). “O texto reúne, em uma única proposição, a questão central de todos as propostas examinadas: a existência de instalações adequadas para as práticas curriculares”, disse.

Prazo para adaptação
O projeto prevê um prazo de um ano após a publicação da lei para que os projetos dos novos estabelecimentos sejam adaptados.

Para o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Mato Grosso, Gelson Menegatti Filho, não haverá dificuldade para que a exigência seja atendida em seu estado, cujo clima exige proteção contra o calor. Ele explica que os conselhos de educação estadual e muitos dos municipais já colocam a quadra coberta como exigência. "A rede privada de ensino não tem essa dificuldade, a não ser algumas escolas novas ou pequenas, que usam prédios inadequados para a atividade escolar. Essas terão uma dificuldade muito grande, porque terão de ter um espaço físico para montar essa área coberta."

Tramitação

Sujeito à tramitação conclusiva, o projeto será analisado agora na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Janary Júnior
Edição – Jaciene Alves

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'