Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

07/02/2018 - 09h16

Projeto limita aumento de combustível à variação da inflação

Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados
Reunião Ordinária. Dep. Marco Maia (PT-RS)
Para Maia, limitar os aumentos dos combustíveis aos índices inflacionários oficiais protege o consumidor

O Projeto de Lei 9187/17, em análise na Câmara dos Deputados, limita os reajustes dos combustíveis à variação da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A proposta é do deputado Marco Maia (PT-RS).

O texto determina ainda que os reajustes de preços poderão ser feitos de forma mensal ou anual, desde que respeitado esse limite. Maia criticou as novas regras de reajustes de preços adotadas pela Petrobras, que prevê reajustes com frequência diária e sem limites.

“Esses reajustes frequentes, se não afetam a saúde financeira da Petrobras, afetam negativamente o bom desenvolvimento econômico do País, forçando a uma redução de consumo de combustíveis que reduzem a atividade econômica, alimentam o desemprego e, numa espiral recessiva, prejudicam a todos os cidadãos”, diz o autor.

Tramitação
O projeto será analisado conclusivamente pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços; de Minas e Energia; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Welington Dias | 08/02/2018 - 16h04
Essa Petrobras já passou da hora de ser privatizada! Motivos não faltam para que ocorra a privatização, esta estatal só causa prejuízos à nação!
Ivan | 07/02/2018 - 22h28
Caro Cicero, Notório sua falta de conhecimento do mercado de combustível. Os postos hoje nao passam de coadjuvantes. Quem dita as regras diariamente é a Petrobras. A grande maioria dos postos encontram-se endividados. De um dia para outro a Petrobras oscila o valor médio em R$0.04 nao dando tempo do repasse acontecer na bomba, pois dia seguinte baixa $0.02. Acontece que aquele posto que necessitou efetuar uma compra de reposição de estoques e pegou na oscilação de alta, nao recupera mais essa perda. Cartel de postos e coisa do psssado!!
Aldo Borges Proença | 07/02/2018 - 20h50
Até que enfim estão pensando no consumidor. Parabéns.