Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

20/06/2017 - 09h02

Comissão debate mudanças na Lei Kandir com diretor da Fenafisco

A comissão especial que analisa propostas que modificam a Lei Kandir (Lei Complementar 87/96) promove nesta terça-feira (20) nova audiência pública para debater o tema. O colegiado analisa o Projeto de Lei Complementar (PLP) 221/98 e apensados. O debate será realizado a pedido do deputado Glauber Braga (Psol-RJ).

O convidado para o debate desta semana é o diretor para Assuntos Parlamentares e Relações Institucionais da Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco), Pedro Lopes de Araújo Neto.

Segundo Braga, a audiência pública é importante para que a comissão forme um juízo responsável e consciente acerca da matéria, com base na opinião de especialistas e interessados no tema. Ele chama atenção para os temas mais importantes: “o impacto da Lei Kandir nas contas públicas estaduais, inclusive para fins de realização de 'encontro de contas' da dívida com a União; a metodologia de cálculo que disciplinará as compensações; e a definição da fonte de financiamento das compensações”.

Laycer Tomaz/Câmara dos Deputados
Transporte - barcos e portos - navio carregado no porto de Santos
A Lei Kandir isenta de ICMS as exportações de produtos primários e semielaborados

A lei
A Lei Kandir isenta de ICMS as exportações de produtos primários e semielaborados. Até 2003, garantiu aos estados o repasse de valores para compensar perdas decorrentes da isenção de ICMS, mas, a partir de 2004, a Lei Complementar 115/02, embora mantendo o direito de repasse, deixou de fixar o valor. Com isso, os governadores precisam negociar a cada ano com o Executivo o montante a ser repassado, mediante recursos alocados no Orçamento da União.

A Lei Kandir determina ainda que uma lei complementar normatize os repasses para compensar os estados com a perda da arrecadação tributária sobre a exportação de produtos e serviços. Essa norma, no entanto, ainda não foi regulamentada pelo Congresso. Por isso, em novembro passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o Parlamento aprove, em 12 meses, a lei com essa compensação.

O debate será realizado às 14 horas, no plenário 14.

A reunião poderá ser acompanhada ao vivo pelo WebCâmara.

Íntegra da proposta:

Da Redação - RL

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'