Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

04/09/2018 - 15h30

Comissão que acompanha caso Marielle decide suspender pedido de federalização das investigações

Delegado responsável pediu aos deputados voto de confiança e garantiu que nenhuma linha de investigação foi abandonada

A comissão externa que investiga os assassinatos da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, ocorridos em 14 de março, resolveu suspender por enquanto a análise do pedido (Req. 10/18) de federalização das investigações apresentado pela deputada Maria do Rosário (PT-RS). Na prática, a medida transferiria a investigação da Polícia Civil do Rio de Janeiro para a Polícia Federal.

Porém, a ideia dos parlamentares agora é permitir o andamento das investigações na esfera estadual, sempre com o acompanhamento do colegiado.

A suspensão foi definida em reunião nesta terça-feira (4) por sugestão do presidente do colegiado, deputado Jean Wyllys (Psol-RJ), que levou em consideração argumentos apontados pelo Ministério Público e pela Polícia Civil do Rio de Janeiro ainda em agosto. Conforme lembrou Wyllys, o delegado Giniton Lages, que comanda a investigação do caso, garantiu que a Polícia Civil vai elucidar o caso e que a Polícia Federal vem colaborando com as investigações.

"Dada a sofisticação do crime, segundo o delegado, não se pode apresentar ainda um prazo de quando as investigações serão concluídas. Mas ele disse que nenhuma linha de investigação foi abandonada. Há um volume de informações muito grande e ele pessoalmente estava empenhado em resolver esse caso. Então, ele pediu esse voto de confiança da comissão", afirmou o parlamentar.

Transparência
Apesar de ter concordado com a retirada do requerimento, Maria do Rosário defendeu a federalização das investigações de crimes contra defensores dos direitos humanos. "O que vai mudar é que nós vamos ter mais transparência. Talvez mais credibilidade no que está acontecendo. A nossa preocupação é grande, porque organizações de direitos humanos da esfera federal ou internacionais que gostariam de acompanhar as investigações não têm sido ouvidas", afirmou Rosário.

Ouça esta matéria na Rádio Câmara

Jean Wyllys lembrou, no entanto, que o requerimento pode ser analisado em uma próxima reunião da comissão. Se o pedido for aprovado futuramente, ele será encaminhado à Procuradoria-Geral da República para que ela solicite ao Superior Tribunal de Justiça o Incidente de Deslocamento de Competência do inquérito.

Esse instrumento foi incorporado à Constituição Federal para assegurar o cumprimento dos tratados internacionais de direitos humanos e não permitir a impunidade de graves violações de direitos. Por meio dele ocorre o deslocamento de competência de investigação do estado para a esfera federal.

O presidente da comissão externa disse ainda que vai solicitar uma nova reunião em breve com a Polícia Civil do Rio.

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Roberto Seabra

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'