Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

07/06/2018 - 17h28

Deputada defende continuidade de políticas públicas de valorização do idoso

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Reunião para discussão de temas e caminhos relacionados a frente parlamentar, a engenharia e o desenvolvimento nacional de 2018. Dep. Leandre (PV - PR)
Leandre: normalmente, as políticas públicas são interrompidas após a troca de governo

A deputada Leandre (PV-PR) pediu a continuidade das ações públicas de valorização do idoso, independentemente de quem esteja no poder. “As políticas normalmente são interrompidas após a troca de autoridades. Mudou ministro, muda política; mudou governo, muda política.”

A declaração foi feita, na quarta-feira (6), em audiência pública realizada na Câmara dos Deputados pela Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa. A reunião discutiu o programa Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa, lançado em abril pelo governo federal.

A iniciativa do Executivo sugere uma série de metas aos municípios brasileiros direcionadas à melhoria da qualidade de vida dos idosos e à promoção do envelhecimento ativo. O foco principal são as pessoas inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo.

Leandre, que sugeriu a realização da audiência, elogiou a estratégia, mas alertou: “O desafio maior é fazer com ela continue”.

Ouça esta matéria na Rádio Câmara

Especificidades
Segundo a Pesquisa Nacional de Amostra dos Municípios de 2017, o Brasil tem 30 milhões de idosos, e a tendência é que esse número cresça proporcionalmente ao aumento da população. O representante do Ministério do Desenvolvimento Social no debate, Leonardo Rezende, destacou que é preciso preparar as cidades para atenderem a essa população específica.

“O aumento no número de idosos faz com que surjam demandas para as quais muitas cidades não estão preparadas. Estamos falando de mobilidade urbana, tecnologia, educação”, disse.

Ele explicou que a Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa é uma parceria do Ministério do Desenvolvimento Social com as pastas da Saúde, dos Direitos Humanos, das Cidades e da Educação, além da Organização Pan-americana de Saúde.

Maria Cristina Hoffmann, do Ministério da Saúde, também salientou a necessidade de as prefeituras adaptarem seus projetos ao cuidado da pessoa idosa. “Significa que precisamos pensar na qualidade de vida desse cidadão. Isso está muito relacionado à autonomia do idoso.”

O primeiro município a aderir à Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa foi Ponte Nova, em Minas gerais. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, hoje já são mais de cem cidades inscritas – os municípios têm autonomia para fazer essa adesão quando quiserem.

Reportagem – Giovanna Maria
Edição – Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'