Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Direitos Humanos > Câmara aprova projeto que prevê combate ao infanticídio em áreas indígenas
26/08/2015 - 21h07

Câmara aprova projeto que prevê combate ao infanticídio em áreas indígenas

Ouvidorias dos órgãos indigenistas receberão denúncias sobre práticas nocivas a crianças, adolescentes, mulheres e idosos de sociedades indígenas

Gustavo Lima/Câmara dos Deputados
Ordem do dia para discussão do Projeto de Lei 1057/07, que trata de medidas para combater práticas tradicionais nocivas, como o infanticídio, e garante proteção dos direitos fundamentais de crianças indígenas. Dep. Marcos Rogério (PDT-RO)
Marcos Rogério: “Direitos humanos são para todos, independentemente de sua cultura, que não pode violar o direito fundamental da vida”

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (26) o Projeto de Lei 1057/07, que trata de medidas para combater práticas tradicionais nocivas em sociedades indígenas, como o infanticídio, e da proteção dos direitos fundamentais de crianças, adolescentes, mulheres e idosos vulneráveis nessas comunidades. O projeto seguirá para o Senado.

De acordo com a emenda aprovada, de autoria do deputado Marcos Rogério (PDT-RO), os órgãos responsáveis pela política indigenista, como a Fundação Nacional do Índio (Funai), deverão usar de todos os meios para proteger crianças, adolescentes, mulheres, pessoas com deficiência e idosos indígenas de práticas que atentem contra a vida, a saúde e a integridade físico-psíquica.

Entre essas práticas, o texto lista infanticídio ou homicídio, abuso sexual ou estupro individual ou coletivo, escravidão, tortura, abandono de vulneráveis e violência doméstica.

Projetos e programas
A Funai e outros órgãos de política indigenista deverão desenvolver programas e projetos para a defesa de recém-nascidos, crianças ou adolescentes, mulheres e idosos em diversas circunstâncias, como:

  • gestação múltipla;
  • deficiência física ou mental;
  • aqueles considerados portadores de má-sorte; ou
  • filhos de pai ou mãe solteiros.

Cadastro de gestantes
O órgão responsável pela saúde indígena terá de manter um cadastro atualizado de mulheres gestantes por etnia e/ou aldeia com a finalidade de proporcionar acompanhamento e proteção durante a gestação.

Se, pela circunstância da criança, for constatado que ela correrá risco de vida, o órgão poderá, com a concordância da mãe, removê-la da aldeia.

Segundo o relator, o Estado brasileiro não deve deixar os indígenas sozinhos quando se trata de defender as crianças que possam ser vítimas de práticas tradicionais ultrapassadas. “Direitos humanos são para todos, independentemente de sua cultura, que não pode violar o direito fundamental da vida”, afirmou Marcos Rogério.

Notificações
O texto prevê a responsabilização, na forma da legislação, das autoridades de política indigenista e de todo cidadão que tomar conhecimento das situações de risco e não informá-los ou comunicá-los.

As ouvidorias dos órgãos indigenistas serão responsáveis pelo recebimento das notificações e comunicados das situações listadas no projeto que sejam contra a vida e a saúde das pessoas vulneráveis.

As denúncias deverão ser encaminhadas ao Ministério Público e demais autoridades competentes para que tomem as providências necessárias.

Gustavo Lima/Câmara dos Deputados
Ordem do dia para discussão do Projeto de Lei 1057/07, que trata de medidas para combater práticas tradicionais nocivas, como o infanticídio, e garante proteção dos direitos fundamentais de crianças indígenas
Crianças indígenas acompanharam a votação do projeto nas galerias do Plenário


Defesa da vida
O deputado Moroni Torgan (DEM-CE) afirmou que a vida deve ser um valor fundamental aplicado a todas as culturas. “Não acredito que uma cultura que tire a vida seja mais importante que a vida. Se é para matar uma vida em nome de uma cultura, mata a cultura em nome da vida, que é muito melhor”, afirmou.

O deputado Takayama (PSC-PR) também defendeu a proposta. “Não se trata de religião, trata-se da vida. Não está certo que, se uma criança nasceu com pequena deficiência na perna, por exemplo, o chefe da tribo possa mandar matar de uma maneira horrível na frente dos pais”, criticou.

Para o deputado Gilberto Nascimento (PSC-SP), as culturas que sacrificam as vidas não podem mais prevalecer.

Deputados do Psol, no entanto, manifestaram-se contra o projeto. O líder do partido, deputado Chico Alencar (RJ), destacou que há experiências bem-sucedidas de superação dessas práticas tradicionais por meio de diálogo, liderado pelas mulheres indígenas.

Para o deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA), a proposta é inconstitucional. “Acaba negando o que está previsto na Constituição, a garantia dos povos indígenas à sua identidade cultural”, opinou.

A líder do PCdoB, deputada Jandira Feghali (RJ), afirmou que é necessário respeitar as crenças e costumes. “Não estamos aqui defendendo assassinato, estamos defendendo a vida dessas crianças por meio de uma mediação cultural. Do jeito que está aqui, vamos colocar a tribo inteira na cadeia, obrigando todos a denunciar o risco de algo acontecer”, disse.

O projeto foi apelidado de Lei Muwaji – homenagem a uma mãe da tribo dos suruwahas que se rebelou contra a tradição de sua tribo e salvou a vida da filha, que seria morta por ter nascido com deficiência.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Eduardo Piovesan e Carol Siqueira
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

LIBERIO UIAGUMEAREU | 16/09/2016 - 18h36
que tal discutirmos isso OEA, ou nos direitos humanos e irmos contra a prática de pena de morte nos países que praticam tal ato? é medo? ou inferioridade política? Ou pq se sentem menores que o EUA por exemplo, essa cultura de tirar vidas deve ser extirpada, mas não vi ninguém com bandeira frente a pena de morte nos EUA ou em outros países, é muito redundante
Thaty | 09/04/2016 - 15h49
Vocês deviam colocar no final como citar este texto.
Agradecemos o contato e interesse. Prezada Thaty, ao final da matéria está escrito: A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias' Estamos sempre à disposição e agradecemos, novamente, o seu contato. Coordenação de Participação Popular Secretaria de Comunicação Social - Câmara dos Deputados Resposta enviada pela Câmara dos Deputados
domingos del omo filho | 31/12/2015 - 20h29
O que é que vocês estão esperando que ainda não fizeram uma intervenção nessas comunidades indígenas para impedir o infanticídio? Não tem que esperar projeto ser encaminhado.Parem com isso! Chega de hipocrisia. Tem que haver AÇÃO IMEDIATA! São seres humanos que estão sendo enterrados vivos. O que é que está acontecendo com nossas "autoridades"?
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal