Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Direitos Humanos > Projeto prevê taxímetro com áudio para pessoas com deficiência
  • Compartilhar no Google+
12/01/2015 - 13h49

Projeto prevê taxímetro com áudio para pessoas com deficiência

Arquivo/ Beto Oliveira
Ronaldo Fonseca
Ronaldo Fonseca: aplicativos deverão informar bandeira, valor da corrida e quilometragem.

A Câmara dos Deputados analisa projeto que obriga os taxistas a ter equipamento de áudio que informem às pessoas com deficiência visual dados sobre a tarifa e os quilômetros rodados (PL 7888/14). A proposta inclui a exigência na Lei da Acessibilidade (10.098/00).

De acordo com o texto, os taxistas terão 12 meses, a contar da data de publicação da lei, para se adequarem à regra.

“Para sua autonomia, a pessoa com deficiência visual precisa ser assistida com ajudas técnicas específicas voltadas para compensar a limitação de não poder ver”, argumenta o autor da proposta, deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF). “Os aplicativos de áudio vão informar o tipo e valor da bandeirada, como também o valor final da corrida e a quilometragem percorrida ao passageiro com limitação visual.”

Tramitação
O projeto será arquivado pela Mesa Diretora no dia 31 de janeiro, por causa do fim da legislatura. Porém, como o seu autor foi reeleito, ele poderá desarquivá-lo. Nesse caso, o texto deverá ser analisado de forma conclusiva pelas comissões de Viação e Transportes; Seguridade Social e Família; e Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Da Redação – DC

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Marco Silva | 14/01/2015 - 12h08
Fica ainda a sugestão de que exista uma frota mínima de táxi adaptado para cadeirantes e outros deficientes. Outra sugestão é de que sejam estabelecidas regras básicas mínimas que norteiem os municípios na regulamentação de seus serviços de táxi, tal e qual existe a LDB para a educação, pois há muita discrepância naquilo que é permitido nos serviços, até em municípios limítrofes, como a cobrança por volumes ou taxa de retorno, entre outros.
Robson | 13/01/2015 - 11h54
Senhor deputado, tem que acabar também com a cobrança de valores por parte dos taxistas daquilo que não consta no taxímetro. No RJ eu NUNCA paguei aquilo que está no taxímetro, sempre me cobram valor maior. Com certeza, fazendo uso indevido de ganhar dinheiro, principalmente quando estou levando com volume ou mala. Exemplo e a Resolução SMTR Nº 2429 DE 30/12/2013
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal