Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Direitos Humanos > Militantes: visibilidade pode ser uma das causas da homofobia
24/11/2010 - 21h42

Militantes: visibilidade pode ser uma das causas da homofobia

Durante o seminário Assassinatos praticados contra a população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais), o representante da Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT, deputado Iran Barbosa (PT-SE), questionou se de fato ocorre crescimento do número de agressões a homossexuais ou se hoje há mais registros desse tipo de violência. A última hipótese, para ele, “parece ser a maior verdade”.

Direitos simbólicos
De acordo com o urbanista e pesquisador associado ao Nugsex Diadorim Érico Nascimento, esse aumento da violência parece estar relacionado a “disputa por território por parte dos homofóbicos devido ao alargamento dos guetos”. Segundo ressaltou, hoje a população LGBT ganhou mais visibilidade e ocupa novos espaços.

Segundo o pesquisador, para combater esse tipo de crime, o Estado deve assumir “a busca por visibilidade” do grupo. “Enquanto a gente não souber quantos somos e de que forma estamos sendo afetados nunca teremos políticas públicas adequadas”.

O coordenador da pesquisa Crimes Homofóbicos no Brasil: Panorama e Erradicação de Assassinatos e Violência Contra LGBT, Osvaldo Francisco Ribas Lobos Fernandez, também defende “a demarcação de espaço” como forma de luta por direitos. “Acredito só em associações comunitárias, demarcando nossos espaços. Toda vez que houver uma violência, temos de agir, seja com dois ou três”, propôs.

Fernandez também acredita que a principal causa da violência contra homossexuais é a falta de reconhecimento dos direitos simbólicos dos homossexuais. “O desafio da democracia brasileira vai ser assegurar a proteção a nossa vida, e aos nossos direitos à igualdade”.

Reportagem - Maria Neves
Edição - Regina Céli Assumpção

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Grace | 30/11/2010 - 13h28
Qdo ocorre um crime de homofobia há todo um alarde na mídia, e não vimos esse aumento. Quer dizer João é um cidadão que voltava do trabalho, foi vítima de latrocínio. Se João for gay entra para estatísticas de crimes de homofobia, se não for gay é apenas mais um latrocínio. Num universo 50 mil assassinatos com variadas motivações, 200 precisam de leis especiais? Isso não é apenas discriminação contra os não-homossexuais mas contra toda a sociedade brasileira pois somos todos vítimas da violência e não pode existir vítimas VIP.
Tânia Virginia Gonçalves Cerqueira | 25/11/2010 - 08h56
As leis regulam toda forma de delito; elas e seus advogados. Próximo está o crime da Av. Paulista, e latente a manobra para minimizar a barbárie. A reforma no Judiciário; nas Leis da Carta Magna, clamam não por si, mas pelos crimes. As sanções devem ter o mesmo peso destes. Pessoas do direito que se fixem a alterar o Código e o Processo Penais; letras mortas. É claro que os mais abastados estejam dispondo da impunidade humilhando os desfavorecidos. Há no Brasil não só o crime de homofobia isolado, mas do poder aquisitivo sobre todos os outros direitos. Precisamos ver isto aí. É urgente!
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal