Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Direitos Humanos > Projeto prevê auxílio financeiro para vítima de violência doméstica
11/08/2010 - 18h07

Projeto prevê auxílio financeiro para vítima de violência doméstica

Arquivo - Luiz Alves
Montes: proposta encoraja vítimas que dependem financeiramente do agressor.

O Projeto de Lei 7353/10, do deputado Marcos Montes (DEM-MG), que tramita na Câmara, insere na Lei Maria da Penha (11.340/06) a possibilidade de a mulher vítima de agressão doméstica receber auxílio financeiro durante o primeiro trimestre em que estiver em programa de proteção.

A proposta prevê que a concessão do auxílio e o valor dele ficarão a critério do juiz que julgar a causa. O benefício poderá ser renovado por mais três meses.

De acordo com o autor, a Lei Maria da Penha trouxe avanços e mecanismos eficientes para coibir a violência doméstica. Porém, não atendeu às vítimas que dependem economicamente de seu agressor e, por isso, não denunciam os abusos.

Se seu navegador não puder executar o áudio, <a href='http://www2.camara.gov.br/agencia/audios/12a66c9edce.mp3' _fcksavedurl='http://www2.camara.gov.br/agencia/audios/12a66c9edce.mp3'>obtenha o áudio</a> e salve-o em seu computador.
A Coordenadora de Políticas Públicas para Mulheres de Minas Gerais, Eliana Piola, defende ações que garantam a aplicação da Lei. Para ouvir a reportagem completa da Rádio Câmara, clique aqui

"Essa é uma proposta que encoraja e protege as vítimas, além de propiciar maior qualidade de vida no período em que estiverem sob os cuidados do Estado em instituições oficiais ou comunitárias de proteção e atendimento", afirma o deputado.

Tramitação
A proposta, em tramitação conclusivaRito de tramitação pelo qual o projeto não precisa ser votado pelo Plenário, apenas pelas comissões designadas para analisá-lo. O projeto perderá esse caráter em duas situações: - se houver parecer divergente entre as comissões (rejeição por uma, aprovação por outra); - se, depois de aprovado pelas comissões, houver recurso contra esse rito assinado por 51 deputados (10% do total). Nos dois casos, o projeto precisará ser votado pelo Plenário., será analisada pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Vania Alves
Edição - Daniella Cronemberger

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal