Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto
Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Direito e Justiça > Antropóloga se defende de acusação de fraude em laudo
01/12/2015 - 22h56

Antropóloga se defende de acusação de fraude em laudo

Deputados e cientistas divergiram sobre laudo antropológico para demarcação de terra indígena no Rio Grande do Sul, em audiência pública na CPI da Funai e do Incra

Cleia Viana / Câmara dos deputados
Audiência pública
Deputados citaram dados de ação judicial que aponta que o laudo antropológico teria sido produzido após experiência da antropóloga responsável com chás alucinógenos dos indígenas

Os conflitos entre índios Guarani e agricultores em torno da reserva de Mato Preto, que abrange parte de três municípios do norte do Rio Grande do Sul, foram debatidos nesta terça-feira (1º) na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a atuação da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na demarcação de terras indígenas e quilombolas.

O laudo antropológico que definiu a área de 4,2 mil hectares como terra de ocupação tradicional indígena foi classificado como "fraudulento" e foi um dos argumentos usados por deputados ruralistas para defender a criação da CPI.

Os parlamentares citaram dados de uma ação judicial que aponta, por exemplo, que o documento teria sido produzido após experiência da antropóloga responsável, Flávia de Mello, com chás alucinógenos dos indígenas e envolvimento com ONGs indigenistas, entre outras supostas irregularidades.

Estudos etnográficos
A antropóloga negou todas as acusações. "Essas acusações contra minhas produções acadêmicas e técnicas são totalmente inverídicas e infundadas. Os textos de minha autoria aqui citados passaram pela análise de vários profissionais de qualificação reconhecida, o que me dá a tranquilidade para afirmar que são textos de qualidade", afirmou a antropóloga.

Cleia Viana / Câmara dos deputados
Audiência pública. dep. Alceu Moreira (PMDB-RS)
Alceu Moreira: a ação judicial é pública e a Justiça gaúcha paralisou o processo de demarcação

Flávia de Mello informou que a presença Guarani em Mato Preto foi constatada por meio de estudos etnográficos e de fatos presenciados no local ou revelados por antigos ocupantes da região.

Ela afirmou ter ser baseado nos critérios legais de identificação de terra indígena, como áreas habitadas em caráter permanente, utilizadas para atividades produtivas, imprescindíveis para a reprodução física e cultural segundo usos, costumes e tradições.

Denúncias falsas
Para deputados do PT e do Psol, a audiência deixou clara que a CPI é “ilegal”, por ter sido constituída com base em denúncias falsas.

Para a deputada Erika Kokay (PT-DF), trata-se de “um profundo desrespeito aos antropólogos” brasileiros. “Na ânsia de se tirar direitos da população indígena, copiou-se a ação de agricultores que queriam direito a terra e a transformou em requerimento para a construção de uma CPI. Isso não é sério", criticou.

Falhas
Já o presidente da CPI, deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), disse que a ação judicial é pública e lembrou que a Justiça gaúcha paralisou o processo de demarcação.

O relator da comissão, deputado Nilson Leitão (PSDB-MT), defendeu a continuidade da investigação, já que, segundo ele, há falhas no modelo do edital de seleção dos antropólogos.

Segundo o deputado Luís Carlos Heinze (PP-RS), os agricultores da região de Mato Preto estão sendo "expropriados". "Para 40 e poucas pessoas que querem colocar, querem retirar em torno de 350 famílias de pequenos produtores que nada têm a ver com o processo. Aqui tudo é tendencioso e com ideologia. Tem gente que já se suicidou por causa desses laudos antropológicos. Desde 2003, essas famílias estão vivendo um martírio", assinalou o parlamentar.

O laudo de Flávia de Mello também foi contestado pelo geógrafo Aldomar Rückert e pelo historiador Henrique Kujawa, que apresentaram estudo mostrando o fluxo migratório dos Guarani no norte do Rio Grande do Sul, sem fixação na região de Mato Preto.

Reportagem - José Carlos Oliveira
Edição – Sandra Crespo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erasmo Neto | 03/12/2015 - 09h00
O poder cega.A historia ilumina,nós somos os invasores.Quem esquece a sua própria história cria uma fantasia mental para justificar.A história humilha o orgulho e as tradições costumeiras de invadir.Nem DEUS escapa para justificar as atrocidades.Adagio de um caboclo de Bataguassu:primeiro vem o missionário,depois se necessário o pistoleiro,depois os motoristas de caminhão transportando também as histórias.
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal