Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto
Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Direito e Justiça > Brasil tem apenas 632 presos por corrupção; procurador defende mudanças legais
22/05/2014 - 14h27

Brasil tem apenas 632 presos por corrupção; procurador defende mudanças legais

Deputado Renato Simões anuncia a criação de uma subcomissão para apresentar projetos que alterem a legislação atual e facilitem a recuperação de ativos ilegais encontrados no exterior.

O procurador regional da República e secretário de cooperação jurídica internacional, Vladimir Barros Aras, afirmou nesta quinta-feira (22), em audiência pública da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados que, no Brasil, apenas 632 pessoas estão presas por corrupção, num total de 550 mil presos. “É um escândalo e envergonha o País”, disse Aras, no debate que discutiu as dificuldades legislativas do governo brasileiro na recuperação dos ativos (dinheiro, propriedades, ações) que resultaram de crimes, encontrados no exterior.

Gabriela Korossy / Câmara dos Deputados
Audiência pública para conhecer as dificuldades legislativas do governo brasileiro na recuperação dos ativos produtos de crimes encontrados no exterior. Procurador da República, Vladimir Barros Aras
Aras: não adianta prender o bandido e não conseguir trazer o dinheiro de volta.

Para o procurador, a recuperação desses ativos é fundamental para mudar a imagem que o Brasil tem no exterior de ser um país corrupto. Ele afirmou que o rastreamento de recursos financeiros enviados para fora, oriundos de crimes como corrupção e tráfico, é uma das maiores dificuldades para a repatriação dos ativos.

Aras ressaltou que o bloqueio desses bens é outra dificuldade encontrada pelas autoridades brasileiras, devido à ausência de tratados de cooperação internacional. Em muitos casos, isso ocorre devido às diferenças dos sistemas jurídicos entre os países. O procurador afirmou que, em muitos casos, quando o dinheiro é rastreado, os governos estrangeiros, pela ausência de tratados, não bloqueiam os bens e eles acabam sendo retirados de onde se encontram pelos criminosos.

Segundo ele, a falta de uma lei de cooperação é o que mais preocupa o Ministério Público. “Se não tivermos a capacidade de recuperar os ativos, de nada adianta prender os criminosos, porque eles continuam operando os recursos ilegalmente no exterior”, lamentou Aras.

Excesso de recursos
Outro problema apontado pelo procurador é a deficiência estrutural da Justiça criminal brasileira. Para ele, o excesso de recursos judiciais, sobretudo em processos de lavagem de dinheiro, dificultam o acesso e a repatriação desses ativos. “Para termos um sistema de cooperação eficiente, é preciso ter um marco regulatório para facilitar a recuperação desses recursos”, afirmou Aras.

O diretor-substituto do departamento de recuperação de ativos do Ministério da Justiça, Roberto Biasoli, disse que a falta de efetividade da Justiça criminal brasileira, provocada por problemas como a morosidade dos processos, dificulta o retorno desses bens ao País. “Os países perguntam para nós: Brasil, vocês não querem esse dinheiro? Mas a gente precisa esperar o trânsito em julgado [da Justiça]”, explicou Biazoli.

Ele afirmou que desde 2004, R$ 35 milhões (entre dinheiro, propriedades e ações) que resultaram de crimes foram repatriados e que ainda há R$ 700 milhões bloqueados em outros países. “Se demorar muito, esse dinheiro se perde”, ponderou o representante do Ministério da Justiça na comissão.

Agilidade
De acordo com o delegado da Polícia Federal, Cairo Costa Duarte, atualmente, o mercado financeiro internacional é muito rápido e muito ágil e não existem barreiras para entrada e saída de dinheiro num país. “O que a gente precisa é de meios para atuar também de forma ágil, para gente poder conseguir captar esses valores, esses bens no exterior e também aqui no Brasil.” Duarte defendeu uma nova legislação que dê maior autonomia para a Polícia Federal atuar de forma mais direta no combate a esses crimes.

Ele também criticou a legislação criminal. Segundo o delegado, os países signatários em tratados com o Brasil, exigem o trânsito em julgado de uma condenação com relação a uma pessoa ou a uma organização criminosa para o envio desses ativos para o Brasil. Em muitos casos, devido à grande quantidade de recursos judiciais, o processo acaba prescrito. “Com essa prescrição, a gente não tem como rever esse dinheiro ou esse bem”, observou Duarte.

Gabriela Korossy / Câmara dos Deputados
Audiência pública para conhecer as dificuldades legislativas do governo brasileiro na recuperação dos ativos produtos de crimes encontrados no exterior. Dep. Renato Simões (PT-SP)
Simões: pedido de audiência já com a intenção de aprimorar a legislação.

Subcomissão
O deputado Renato Simões (PT-SP), que propôs a audiência pública, anunciou que a Comissão de Fiscalização Financeira criará uma subcomissão para apresentar, até o fim do ano, um conjunto de projetos que altere a legislação atual para facilitar a recuperação dos ativos ilegais encontrados no exterior.

"O crime organizado avançou e a lei ficou parada no tempo", disse Simões. De acordo com o parlamentar, o aprimoramento das leis era um dos objetivos do debate realizado hoje.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Natalia Doederlein

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Elida | 04/06/2014 - 10h50
Tem é que pegar esses corruptos e todos que se beneficiaram da corrupção e colocar na cadeia fazendo bordados até que a venda de todos os produtos alcancem o quádruplo do que foi roubado + o quádruplo do custo do processo. Beneficiados diretos do corrupto são tão corruptos quanto, portanto, cônjuge, pais, filhos e parentes de linha reta tem que pagar também. Hoje em dia ninguém pode dizer que desconhecia a atuação de quem está tão próximo.
Marco Lima | 23/05/2014 - 11h09
Observem: " O diretor-substituto do departamento de recuperação de ativos do Ministério da Justiça, Roberto Biasoli, “Os países perguntam para nós: Brasil, vocês não querem esse dinheiro? Mas a gente precisa esperar o trânsito em julgado [da Justiça]”, explicou Biazoli. E agora: "De acordo com o delegado da Polícia Federal, Cairo Costa Duarte,os países signatários em tratados com o Brasil,exigem o trânsito em julgado de uma condenação. com relação a uma pessoa ou a uma organização criminosa para o envio desses ativos para o Brasil" Dá para entender então, onde está o problema?
joaozinhobol@bol.com.br | 23/05/2014 - 10h37
Este número é infimo perto da realidade. hoje pra ter uma comparação, os contadores ao errar uma virgula são penalizados com altíssimas multas e cobradas na hora sem poder reclamar, pois o cliente dele fica sem negativa. Já aos imortais políticos muda-se a cúpula do STF e consegue-se mudar um resultado como Diz Barbosa, Sólido. Concordo com o colega. Crime Hediondo, sem fiança, todos os bens até primeiro grau de parentesco Bloqueados, proibido de movimentar contas no Brasil e fora. Qualquer movimentação com autorização judicial. Cadeia neles mas junto com outros presos pra sofrerem igual.
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal