Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

31/08/2017 - 17h04

Para deputado, resolução da Anac sobre bagagens não reduziu preços das passagens

Superintendente da Agência Nacional de Aviação Civil defendeu, em debate na Câmara, a expansão do capital estrangeiro no setor

O presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, deputado Wilson Filho (PTB-PB), afirmou nesta quinta-feira (31) que a resolução (400/16) da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que determinou a cobrança por bagagens não despachadas não se refletiu em passagens mais baratas para o consumidor.

Billy Boss - Câmara dos Deputados
Audiência pública sobre as possibilidades de controle das contas públicas usando dados abertos. Presidente da CFFC, dep. Wilson Filho (PTB-PB)
Wilson Filho: além de pagar para despachar a mala, o usuário tem encontrado, em muitos casos, bilhetes mais caros

"A Anac tomou a decisão de dividir os serviços, com o intuito de reduzir o valor das tarifas, mas o que aconteceu foi o contrário. Além de ter de pagar um valor a mais para despachar a mala, o usuário está tendo de arcar com bilhetes, em muitos casos, mais caros”, comentou o parlamentar, em audiência pública realizada na Câmara dos Deputados sobre as desonerações fiscais e a política tarifária das empresas aéreas brasileiras. O debate foi promovido pela própria Comissão de Fiscalização Financeira e Controle.

Airton Pereira, da Associação Brasileira de Empresas Aéreas, argumentou, no entanto, que, desde 2015, o setor sofre com a alta do dólar e a crise econômica, e que as companhias têm buscado soluções para diminuir custos. “Nossos esforços de aumento da eficiência e de melhoria da operação já foram feitos. Agora, dependemos dessa redução de custos e da desoneração fiscal.”

Expansão do mercado
Apesar das dificuldades, o superintendente de serviços aéreos da Anac, Ricardo Catanant, considera que a expansão no número de passageiros nos últimos quinze anos demonstra o sucesso do setor aéreo no País. Por ano, mais de 70 milhões de usuários preferiram o avião em vez do ônibus.

“Em 2002, o transporte aéreo respondia por 28% do número de passageiros transportados em relação ao rodoviário. Nós invertemos isso. Hoje, transportamos mais pessoas que os ônibus”, citou.

Capital estrangeiro
Para a advogada Sônia Amaro, da Protest- associação de defesa do consumidor, abrir as empresas aéreas brasileiras ao capital estrangeiro aumenta não apenas a concorrência, mas também as responsabilidades do setor.

“É saudável para o consumidor essa disputa entre empresas. No entanto, deve haver uma fiscalização do setor e uma aplicação de penalidades se as regras forem descumpridas”, destacou.

Na Câmara, uma proposta que permite o controle de companhias aéreas por capital estrangeiro (PL 2724/15 e apensados) aguarda criação de uma comissão especial para ser analisada.

“Se o Congresso der esse passo, retirando barreiras do investimento estrangeiro, certamente veremos investimentos e a entrada de novas empresas no nosso mercado", defendeu Ricardo Catanant.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Ana Raquel Macedo
Edição – Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'