Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

22/11/2011 - 13h16

Projeto proíbe uso de mensagem subliminar em propaganda

Arquivo/ Gustavo Lima
Erika Kokay
Erica Kokay: recursos devem ser combatidos pela pressão psicológica que exercem sobre o consumidor.

A Câmara analisa o projeto de lei (PL 1840/11) que proíbe a utilização de mensagens subliminares na propaganda veiculada nas emissoras de radiodifusão. Entre os recursos destinados à sensibilização subliminar do consumidor que seriam proibidos estão a veiculação de mensagem sonora alusiva à mercadoria anunciada, reproduzida ao contrário ou mesclada a outras falas; a transmissão de imagens, falas ou mensagens por pequenas frações de tempo ou de modo a não serem percebidas conscientemente pelo espectador; a utilização de efeito estroboscópico; e a exibição de formas estáticas ou em movimento e de símbolos arquetípicos nas imagens, alusivos à sexualidade das pessoas.

Pressão Psicológica
Na opinião da autora, deputada Erika Kokay (PT-DF), o uso de recursos voltados a induzir o consumo deve ser combatido por interferir na livre competição econômica e pela pressão psicológica que é capaz de exercer sobre o consumidor.

“Embora haja previsão de que se deva coibir esse tipo de postura, o que vemos na televisão é precisamente a atitude oposta. O uso da linguagem subliminar vem crescendo, sendo adotado até mesmo na divulgação das chamadas de programas das próprias emissoras”, afirma.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será examinado pelas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Oscar Telles
Edição - Mariana Monteiro

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Sandro Borges | 22/11/2011 - 23h08
Sobre o Projeto proíbe uso de mensagem subliminar em propaganda, apenas digo o seguinte: No momento, temos questões bem mais relevantes para nos preocupar. Vamos voltar nossa atenção para a questão da violência. Vamos propor, por exemplo,o fim da fiança para bandidos e para os que cometem assassinato no trânsito por embriaguês. Sobre a televisão, vamos tentar combater a pouca vergonha com a exibição de cenas com homossexuais e menores desrespeitando pai e mãe.