Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto
Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Assistência Social > Bancada feminina comemora sanção de lei que institucionaliza Ligue 180
  • Compartilhar no Google+
05/09/2014 - 13h15

Bancada feminina comemora sanção de lei que institucionaliza Ligue 180

Serviço que atende e orienta brasileiras em situação de violência passará a ser operado diretamente pelo Executivo e, em consequência, à Secretaria de Políticas para as Mulheres.

TV CÂMARA
Dep. Jô Moraes (PCdoB-MG)
Jô Moraes: o importante é ter definições de iniciativas que ajudam as mulheres a denunciar.

A institucionalização do Ligue 180 como um serviço operado pelo governo federal foi comemorada pela bancada feminina no Congresso e por defensores dos direitos das mulheres. A demanda foi aprovada pela Câmara e o Senado a partir de projeto de lei da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito de Combate à Violência contra a Mulher e sancionada, nesta quarta-feira (3), pela presidente Dilma Rousseff (Lei 13.025/14).

O Ligue 180 funciona desde 2005, mas antes era vinculado às Delegacias de Atendimento Especializado às Mulheres (Deams) ou às Delegacias da Polícia Civil. Ao passar a operação do serviço ao Executivo e, em consequência, à Secretaria de Políticas para as Mulheres, a nova lei garante mais estabilidade ao 180, na avaliação da presidente da CPMI e coordenadora da bancada feminina, deputada Jô Moraes (PCdoB-MG).

“O importante neste processo de construção de políticas públicas para as mulheres foi, após a aprovação da Lei 11.340/06, conhecida como Lei Maria da Penha, ter se estabelecido definições de iniciativas que ajudam as mulheres a fazer sua denúncia, a buscar autoridades, tomar iniciativas que a tirem da situação de violência”, destaca.

Para a assessora técnica Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea), Leila Rebouças, a institucionalização do 180 é mais uma garantia de efetivação das denúncias. “O 180 garante um atendimento imediato às mulheres. Por ele, elas podem saber onde recorrer, onde estão os serviços mais próximos à sua residência. Agora também, com a sanção da lei, a própria Secretaria de Políticas para as Mulheres pode fazer o encaminhamento, a solicitação do atendimento dessas mulheres nas secretarias de segurança pública e justiça.”

Dados
Segundo Leila Rebouças, a importância do Ligue 180 também está nos dados reunidos pela central. Ainda assim, a técnica defende a necessidade de um sistema nacional de informações sobre violência contra a mulher, que possa dar um suporte mais abrangente às políticas públicas voltadas ao setor.

Em 2013, o Ligue 180 recebeu mais de 530 mil registros, totalizando quase 3,6 milhões de ligações desde a criação do serviço, em 2005. De acordo com a Secretaria de Políticas para as Mulheres, a violência física representa 54% dos casos e a psicológica, 30%.

Reportagem – Ana Raquel Macedo
Edição – Rachel Librelon

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Erasmo Neto | 09/09/2014 - 15h30
Parabéns. Só uma duvida vai ser contabilizado as agressões praticas por mulher contra outra mulher(s)?
  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal