Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

29/08/2017 - 21h36

Governo e Anvisa atribuem contaminação por agrotóxicos a uso inadequado do produto

Ministério da Agricultura informou que o uso de agrotóxicos no Brasil está dentro dos padrões internacionais, mas reconheceu que há uma utilização equivocada que pode levar à contaminação

Representantes de consumidores e de órgãos de regulação do governo divergiram nesta terça-feira (29) em relação ao uso de agrotóxicos no Brasil. O assunto foi debatido em audiência pública na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados.

Segundo dados da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste), o Brasil é o quarto maior mercado de pesticidas e o oitavo em uso por área cultivada. A representante da associação na audiência, Sônia Amaro, também alertou para o fato de que, entre 2007 e 2014, foram registrados nos serviços de atendimento à saúde 34 mil notificações de intoxicação por agrotóxico.

Já o Ministério da Agricultura garantiu que o uso desses produtos está dentro dos padrões verificados em outros países, mas reconheceu que há uma utilização equivocada que pode levar à contaminação. A representante do ministério na audiência, Rosana Vasconcelos, afirmou que ocorre o rastreamento do uso de agrotóxicos em produtos agrícolas e que os problemas encontrados não diferem muito dos de outros países.

"O principal problema é o uso dos não permitidos para cultura. O agricultor, quando se depara com o problema de uma praga, de uma doença na sua cultura, ele não quer saber se é permitido para o mamão, ele quer saber se mata aquela praga, para ele não perder a produção. É um problema que muitas vezes se resolve com educação sanitária e com uma fiscalização mais eficaz", afirmou Rosana, que é coordenadora do Programa Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura.

Ausência de registro
Para a representante da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Adriana Torres, o uso inadequado de agrotóxicos se deve ao fato de que, em alguns tipos de cultura, existem poucos tipos de agrotóxicos registrados, dificultando o acesso a esses produtos por parte dos produtores.

"Qual que é a causa disso? Boa parte das vezes está relacionada às culturas para as quais não existe interesse das indústrias de agrotóxico em registrar, porque são culturas de baixo retorno econômico. E pela nossa legislação, nós necessitamos que as empresas façam o pleito desses registros", disse Adriana, que é coordenadora do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos da Gerência Geral de Toxicologia da Anvisa.

Acompanhamento
O autor do requerimento para a realização da audiência pública, deputado Severino Ninho (PSB-PE), afirmou que é preciso acompanhar tanto a utilização quanto a fiscalização dos agrotóxicos, que são comprovadamente causadores de diversas doenças na população.

"Um dos caminhos é divulgar mais os malefícios que certos produtos trazem à saúde da população", disse o deputado.

Reportagem – Karla Alessandra
Edição – Pierre Triboli

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'