Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

06/04/2018 - 19h28

Comissão de juristas da Câmara recebe sugestões para melhorar gestão governamental

A comissão de juristas que elabora propostas de aperfeiçoamento da gestão governamental e do sistema de controle da administração pública está recebendo sugestões sobre o tema pelo e-mail cjadm@camara.leg.br.

Criada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, em 22 de fevereiro, a comissão vai elaborar as propostas no prazo de 60 dias. O grupo trabalha com quatro eixos temáticos:
- preferência à solução consensual de conflitos na administração pública;
- aperfeiçoamento das motivações nas escolhas administrativas;
- incentivos à melhoria da performance dos agentes públicos; e
- combate sistêmico às ilicitudes administrativas.

Foram designados para compor a comissão da Câmara o ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU); a conselheira Marianna Montebello Willeman, do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ); o professor Carlos Ari Sundfeld, da FGV Direito SP e colunista do site Jota; o professor Juarez Freitas, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); e o professor Sérgio Guerra, da FGV Direito Rio. Bruno Dantas será o presidente do colegiado, e a comissão ainda escolherá, dentre seus membros, o relator.

A participação na comissão de juristas não é remunerada, sendo considerada serviço público relevante prestado à Câmara.

Perdas com corrupção
No ato de criação da comissão, Rodrigo Maia citou estudo da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) elaborado em 2012 segundo o qual anualmente até 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB) do País, ou seja, aproximadamente R$ 100 bilhões, são perdidos com práticas corruptas.

“As fraudes contra a administração pública e o desvio de dinheiro têm se tornado progressivamente mais sofisticados, demandando maior eficiência, eficácia e efetividade da atividade de controle”, disse o presidente da Câmara.

Outros grupos
Há outros grupos de trabalho em funcionamento na Câmara para aperfeiçoar a legislação em diversas áreas, como a comissão de juristas que analisa a reforma da Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.429/92); e a comissão coordenada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, para endurecer as penas no combate ao tráfico de drogas, de armas e à lavagem de dinheiro.

Existe ainda uma comissão para debater a redução da alíquota da pessoa jurídica nos Estados Unidos, e o impacto dessa decisão na competitividade das empresas brasileira; e outra para debater o mercado de debêntures no Brasil e propor estratégias para torná-lo acessível a todos os segmentos; e por fim, uma comissão para discutir sistemas de controle no Brasil.

Reportagem – Lara Haje
Edição – Ralph Machado

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

ANTONIO CARLOS BENICIO | 13/04/2018 - 18h56
Excelente medida. O Brasil não pode mais conviver com a ineficiência da maquina pública. Essa máquina paquidérmica que cria dificuldade para vender facilidade e inferniza o cidadão com uma burocracia idiota, ineficiente e burra. O Brasil precisa cumprir e fazer cumprir as suas leis e não fazer de conta.
Erasmo Neto | 07/04/2018 - 08h17
A operação lava jato indica o fracasso das unidades funcionais de educação,na formação dos indivíduos.Valores como honestidade,autocritica foram trocados pelos valores da competição;da corrupção.Verdade constatada através das celas especiais para indivíduos portadores de diploma universitário.Livro, A gênese espirita;cap.1, item 5;"Mas o professor não ensina aquilo que aprendeu;é um revelador de segunda ordem; o homem de gênio ensina aquilo que descobriu por si mesmo:é revelador primitivo; ele traz a luz que pouco a pouco se vulgariza..."; autodidata?Contabilidade criativa?Criptografia?
LEI DE RESPONSABILIDADE SANITÁRIA | 06/04/2018 - 12h44
Que tal? Em relação a saúde não precisa ir muito longe não. É apenas essa pasta ser prioridade nos governos. LEI DE RESPONSABILIDADE SANITÁRIA (LRS). PLS 174/2011 e PL 7585/2014