Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

15/08/2016 - 20h14 Atualizado em 16/08/2016 - 15h17

Debatedores divergem sobre teste de integridade de servidor nas medidas anticorrupção

Teste simula oferta de vantagens sem o conhecimento do servidor público, com o objetivo de testar sua conduta moral e predisposição para cometer ilícitos. Os testes poderão ser aleatórios ou dirigidos e os resultados usados para fins disciplinares e para instruir processos de improbidade administrativa e criminais

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Audiência pública da comissão que discute o PL 4850/16, que estabelece Medidas contra a Corrupção
Eputados, representantes do Tribunal de Contas da União, de servidores públicos e outros especialistas discutiram as 10 medidas contra a corrupção, propostas pelo Ministério Público

A aplicação de testes de integridade foi debatida, nesta segunda-feira, durante audiência da comissão especial que analisa medidas (PL 4850/16) contra a corrupção. Um dos dispositivos incluídos no projeto de lei prevê que os testes de integridade devem fazer a simulação de situações sem o conhecimento dos agentes públicos, com o objetivo de testar a conduta moral deles e a predisposição para cometer atos ilegais contra a Administração Pública. Os testes poderão ser aleatórios ou dirigidos e os resultados usados para fins disciplinares e para instruir processos de improbidade administrativa e criminais.

A medida foi criticada pelo presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado, Rudinei Marques, que considerou absurda a sua adoção. "Em determinados momentos, a psique humana é sujeita a conflitos. Em determinado momento, pode estar predisposta a cometer um crime, mas isso não quer dizer que aquilo seja a natureza absoluta do ser humano. Eu acredito que não é. Então, colocar na lei um teste de integridade para largar uma mala de dinheiro e ver se ele estende o braço, eu acho um absurdo. Não sei como alguém, em sã consciência, tenha colocado isso num projeto de lei."

Mais debates
Um dos autores do pedido para realização da audiência, o deputado Rubens Bueno (PPS-PR) defendeu a ampliação do debate sobre a questão do teste de integridade: "Do ponto de vista administrativo, eu acho que é até cabível, mas, do ponto de vista criminal, não. Tem desdobramentos legais que têm de ser mais bem apurados. Daí a polêmica estabelecida em cima de um item apenas das 10 medidas de combate à corrupção. O que nós queremos é dar uma resposta adequada à sociedade".

Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Audiência pública da comissão que discute o PL 4850/16, que estabelece Medidas contra a Corrupção. Dep. Rubens Bueno (PPS-PR)
Rubens Bueno: medida tem desdobramentos legais que têm que ser mais bem apurados

Rubens Bueno lembrou que o projeto de lei em análise teve como base as medidas propostas pelo Ministério Público Federal para combater a corrupção e a impunidade no País.

Autorização judicial
Para o relator da comissão especial, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), o teste de integridade poderá sofrer alterações como necessidade de autorização judicial para ser aplicado.

Onyx Lorenzoni disse ainda que não sofre qualquer pressão quanto às medidas anticorrupção e que os pontos polêmicos serão extensamente debatidos.

"Eu sou cara casca grossa. Então, as pessoas conversam comigo, eu vou ouvir todo mundo, vou ouvir, inclusive, muitas pessoas que são contrárias à maior parte das medidas que já foram aprovadas aqui e sugeridas por vários parlamentares, sem problema nenhum. Vamos dialogar, vamos debater. Agora, nós vamos enfrentar a corrupção no Brasil, e o Brasil vai sair melhor desse episódio", afirmou Onyx.

Presidente da comissão especial, o deputado Joaquim Passarinho (PSD-PA) disse que o texto do projeto não deve ser afrouxado, mas sim adequado à legislação em vigor. A perspectiva, segundo o deputado, é não perder os 10 eixos propostos pelo Ministério Público.

Pontos questionáveis
Além das críticas à adoção do teste de integridade, Rudinei Marques destacou que outros pontos do projeto são questionáveis, como a relativização da prova ilícita, a adoção de novas modalidades de prisão preventiva, alterações nas regras de concessão de habeas-corpus e a exclusividade do Ministério Público para firmar acordos de leniência.

Entre as sugestões, ele citou mais empenho na prevenção da corrupção, como o fortalecimento do controle interno, fortalecimento das carreiras dos órgãos de controle e o reforço das ouvidorias. "O projeto de lei é robusto, bem legalista e punitivo. Vamos ter que ouvir muitos especialistas por conta dos pontos polêmicos", concluiu.

Já o auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) Paulo Martins, que também preside a União dos Auditores Federais de Controle Externo (Auditar), disse que os órgãos de controle, entre eles Polícia Federal, TCU e Ministério Público, precisam de mais instrumentos para atuar. Como exemplo, ele defendeu que os tribunais de contas deveriam ter competência para quebrar sigilos bancários. “Reconhecemos que essa matéria veio num momento oportuno, em que o país vive uma crise institucional em virtude da corrupção. Mas precisamos debater bastante com as entidades que representam as carreiras essenciais para o funcionamento do Estado e com a sociedade”, afirmou Martins.

Banalização e conformismo
A psicóloga Denise Ramos falou sobre a corrupção no Brasil e destacou que a banalização da prática é seguida de um certo conformismo. "A corrupção se origina no complexo cultural de inferioridade, no sentimento implícito de inferioridade, e que o jeitinho, levar vantagem a qualquer custo, compensa o sentimento de inferioridade", herdados de questões culturais como a escravidão e a colonização extrativista vivida pelo País. Ela também destacou que as medidas propostas têm a qualidade de combater o vírus da corrupção, mas apenas o deixará latente.

Acordos de leniência
Lucieni da Silva, auditora federal de Controle Externo do TCU e fundadora da Associação Nacional dos Auditores de Controle Externo dos Tribunais de Contas do Brasil, avaliou que é preciso regulamentar a destinação dos recursos originários dos acordos de leniência.

Ela sugeriu que, para harmonizar o ordenamento jurídico, sejam ouvidos técnicos do Tesouro Nacional, por exemplo. Ela também sugeriu a criação de um Fundo Nacional de Combate à Corrupção, com destinação de recursos para áreas como a capacitação e aperfeiçoamento de profissionais que atuam na área de controle.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Idhelene Macedo
Edição – Newton Araújo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Dirceu dos Santos Firmino | 17/08/2016 - 21h25
E' na máquina dos "PARTIDOS POLÍTICOS" que vamos encontrar os candidatos que ocuparão uma cadeira na vida pública. Todos podem notar que eles se organizam e são preparados e treinados para desempenharem uma vida corrupta em qualquer Estado do território brasileiro. Haja vista pelo processo e "Impeachment" que estão fortalecidos na esfera bicameral do Congresso Nacional manipulando as votações somente no que lhes são beneficiáveis e não lhes comprometem. Sugerimos que O Ministério Público e Tribunal de Contas, tenham a competências dos sigilos bancário e dossiês da vida pregressa dos candidatos
PEDRO FERREIRA | 17/08/2016 - 19h50
Estão com certeza, desviando o Foco do PROBLEMA, para os pobre dos servidores públicos. Prendam e PUNAM SEVERAMENTE os Administradores Corruptos e Ladrões e também os Políticos que estão Arrasando com nosso Brasil, confiscando todos seus bens e dinheiro, atualizados Monetariamente e a Crise será resolvida.
Ulisses Mattes | 16/08/2016 - 15h05
O Projeto de Lei, neste tópico, extrapola qualquer limite de bom senso em relação aos servidores públicos federais. Deveria, isso sim, ser destinado aos administradores públicos, que ocupam o topo da pirâmide administrativa, porque é lá que está concentrado o problema atual da Administração Pública.