10/12/2015 - 19h09

Comissão aprova criação de quadro de servidores para a Defensoria Pública da União

Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Laercio Oliveira
Laercio Oliveira: o exercício das atividades hoje depende da cessão de servidores de outros órgãos e de estagiários, fato que enfraquece os recursos humanos necessários ao Programa Assistência Jurídica Integral e Gratuita

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público aprovou o Projeto de Lei 7922/14, da Defensoria Pública da União (DPU), que cria quadro de servidores próprio para o órgão, estrutura o plano de carreiras e cargos da instituição e fixa o valor de suas remunerações.

Por meio do Programa Assistência Jurídica Integral e Gratuita, a DPU é responsável pela orientação jurídica e a defesa dos cidadãos que não dispõem de recursos para arcar com a contratação de um advogado ou com as despesas de um processo judicial.

Pela proposta, serão criados 1.659 cargos de analista (nível superior) e 1.092 cargos de técnico (nível intermediário). Os salários de analista vão variar de R$ 7.323,60 a R$ 10.883,03, conforme a classe e o padrão. Já os de técnico irão de R$ 4.363,94 a R$ 6.633,12.

Situação atual
Hoje, a Defensoria Pública não tem quadro permanente de pessoal, porém, o Congresso Nacional promulgou, em agosto de 2013, a Emenda Constitucional 74, que concedeu à DPU autonomia funcional, administrativa e a iniciativa de sua proposta orçamentária.

Segundo a justificativa da proposta, o órgão conta, atualmente, com 1.163 servidores, além de cerca de 2 mil estagiários. Desses, 820 são cedidos ou requisitados, o que corresponde a aproximadamente 70% de sua força de trabalho. O restante dos cargos, de natureza administrativa, foi provido por meio do primeiro e único concurso público da instituição, em 2010. Pela proposta, esses cargos serão incorporados ao Quadro de Pessoal da Defensoria Pública da União.

O parecer do relator, deputado Laercio Oliveira (SD-SE), foi favorável à matéria, com emenda. “O exercício das atividades hoje depende da cessão de servidores de outros órgãos e de estagiários, fato que enfraquece os recursos humanos necessários ao Programa Assistência Jurídica Integral e Gratuita, pois não existe carreira própria de apoio à DPU”, ressaltou. Ele acrescentou que o projeto de lei atende à orientação do Tribunal de Contas da União (TCU).

Emenda
O texto original do PL 7922/14 diz que os servidores e empregados públicos cedidos ou requisitados em exercício na Defensoria deverão voltar aos órgãos de origem, a não ser que manifestem expressamente a vontade de serem redistribuídos para o quadro de pessoal da DPU em até 90 dias.

A emenda altera o texto, estabelecendo que os servidores e empregados públicos cedidos ou requisitados há mais de cinco anos permanecerão em exercício na Defensoria, salvo manifestação individual no sentido de retornar ao órgão de origem. Apenas os servidores e empregados que não contarem com mais de cinco anos de exercício da Defensoria ou não forem ocupantes de cargos em comissão ou função de confiança retornarão a seus órgãos de origem.

Ingresso e remuneração
O projeto estabelece as formas de ingresso, desenvolvimento e movimentação nas carreiras. O ingresso será feito por meio de provas ou de provas e títulos, e de prova prática e de capacidade física, se for o caso.

O desenvolvimento do servidor nas carreiras e nos cargos do DPU ocorrerá por meio de progressão funcional e de promoção. O texto estabelece regras para ambos.

Pela proposta, a remuneração dos servidores da Defensoria será composta de vencimento base; Gratificação de Atividades da DPU; e Adicional de Qualificação (para os portadores de títulos, diplomas ou certificados de graduação, pós-graduação ou cursos de treinamento). A gratificação será calculada mediante a aplicação do percentual de 90% sobre o vencimento base.

Ainda de acordo com a proposta, os integrantes do Plano de Carreiras e Cargos dos Servidores da DPU não poderão receber mais do que 80% do subsídio devido ao defensor público-geral federal.

Tramitação
De caráter conclusivo, a proposta será analisada em regime de prioridade pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Lara Haje
Edição – Regina Céli Assumpção

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Alcimar Rodrigues | 21/02/2017 - 16h35
Senhores Deputados, honrem a sociedade com a aprovação do PL 7922/2014. A Defensoria Publica da União é o escape daqueles não podem contratar um advogado e jamais poderão por serem em determinado momento hipossuficientes. Em muitos casos esse socorro prestado pelo DPU a sociedade pode salvar vidas, como no caso de uma busca por uma UTI, por exemplo. A sociedade precisa de uma Defensoria Pública Forte. Abracem essa causa e escrevam seus nomes na história desse país.
Agradecemos a participação, Para que sua manifestação seja computada, entre em contato entre em contato com o 0800 619 619 ou encaminhe manifestação para o fale conosco: goo.gl/sH5nyL Coordenação de Participação Popular
Resposta enviada pela Câmara dos Deputados
fernando brito | 19/01/2017 - 22h13
SENHORES DEPUTADOS NÃO APROVEM O TREM DA ALEGRIA......PL 7922
Altair Gomes | 17/11/2016 - 15h44
Aprovem o PL 7922/2014 pelo bem do Brasil! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!! URGENTE!!