Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

  • Retorne o texto ao tamanho normal
  • Aumente o tamanho do texto

Navegação Global

Você está aqui: Página Inicial > Comunicação > Câmara Notícias > Administração Pública > CCJ aprova admissibilidade da prorrogação da DRU, sem fundos constitucionais
04/11/2015 - 15h35

CCJ aprova admissibilidade da prorrogação da DRU, sem fundos constitucionais

Mudança feita pela comissão retirou os fundos constitucionais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste da DRU porque desvinculação poderia ferir o pacto federativo. Proposta segue para análise de comissão especial

Lucio Bernardo Junior / Câmara dos Deputados
Reunião Ordinária
Votação da matéria na CCJ foi antecida por acalorado debate em várias reuniões da comissão

Após três dias de discussão e uma nova reunião com quatro horas de duração, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (4), a admissibilidade da prorrogação da Desvinculação de Receitas da União (DRU), mecanismo previsto na Constituição que expira no final do ano.

Com a aprovação, as três propostas de emenda à Constituição (PECs 4; 87; e 112, todas de 2015) que prorrogam a DRU de diferentes maneiras (veja quadro) foram admitidas e poderão ser analisadas agora por uma comissão especial. Depois, a matéria, se aprovada, seguirá para o Plenário da Câmara, onde terá de se votada em dois turnos.

Os detalhes da proposta final serão definidos pela comissão especial, e a votação da CCJ é uma espécie de sinal verde para que esse trabalho comece. A CCJ fez apenas uma ressalva ao texto, suprimindo da proposta os fundos constitucionais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste, que distribuem recursos da União para os estados dessas regiões. O argumento utilizado foi de que a desvinculação dessas verbas feria a relação entre os entes federados.

A DRU foi criada junto com o Plano Real, na década de 1990, a fim de permitir que o governo federal flexibilize alguns gastos obrigatórios. Atualmente, o mecanismo garante que o Executivo possa usar livremente 20% de todos os impostos e contribuições sociais e econômicas federais – verbas que, de outra forma, estariam vinculadas a áreas específicas. Na lei orçamentária de 2015, o Planalto projetou a desvinculação deste ano em R$ 121,7 bilhões, mas, com a retirada dos fundos regionais, cerca de R$ 2 bilhões devem sair dessa conta.

Se não for prorrogada pelo Congresso, a DRU expirará em 31 de dezembro. Um dos textos aprovados hoje, a PEC 87/15, enviada pelo Executivo, determina que o percentual das receitas de tributos federais que poderá ser usado livremente passará de 20% para 30%. A proposta, porém, limita quais tributos podem ser desvinculados – o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o Imposto de Renda (IR) estão entre as proibições.

Seguridade
O relator na CCJ, deputado Marcos Rogério (PDT-RO), defendeu a aprovação das PECs. Ele ressaltou que outros detalhes deverão ser debatidos na comissão especial e afirmou que não aprovar a DRU significa obrigar a União a executar gastos de pouca prioridade apenas porque estão vinculados.

Já o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), contrário à medida, argumentou que o maior atingido será o setor de Seguridade Social, que compreende a Previdência e a Assistência Social, com programas como o Bolsa Família. Como a PEC 87/15 expande de 20% para 30% a desvinculação que atinge as contribuições sociais, na visão do deputado, isso representaria um aumento muito grande do que é retirado da área. "Se falta dinheiro para a Previdência, não pode aumentar a DRU em 50% - essa conta não fecha. Se não perdesse recursos pela DRU, a Seguridade teria R$ 54 bilhões de superavit em 2014", defendeu.

O relator, por sua vez, rebateu esse argumento. Segundo Marcos Rogério, a Seguridade acaba absorvendo de volta todas verbas que são retiradas dela por meio da DRU. "Em 2015, houve a desvinculação de R$ 74,8 bilhões da Seguridade pela DRU, mas foram devolvidos R$ 89,5 bilhões para o setor. Não há razão para temer por prejuízos na seguridade", comentou.

Vinculação
Favorável à prorrogação da DRU, o deputado Rubem Pereira Júnior (PCdoB-MA) avaliou que não existe outra alternativa atualmente, porque mais de 89% do orçamento federal têm alguma forma de vinculação. Segundo estudos do Ministério do Planejamento, informou o parlamentar, quase 93% do orçamento da União estão condicionados a algum gasto ou programa. "Existe algum modelo de gestão no Brasil sem a DRU? Temos de fazer esse debate e talvez mudar esse sistema, mas hoje é impossível governar sem a desvinculação", disse.

Já o deputado Danilo Fortes (PSB-CE) comentou que é preciso acabar com a DRU para dar mais controle às contas públicas. "Esses recursos desvinculados são utilizados para superavit e pagamento de juros. Nenhum centavo desse dinheiro foi usado para investimento ou para amenizar, por exemplo, os efeitos da seca no Nordeste", criticou.

Conheça a tramitação de PECs

Íntegra da proposta:

Reportagem - Marcello Larcher
Edição - Marcelo Oliveira

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



  • Câmara Notícias
    Expediente
    Disque-Câmara: 0800 619 619

Mapa do Portal