Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

16/09/2015 - 16h33

Trabalho aprova classificação de assédio moral como improbidade administrativa

TV CÂMARA
MARIA HELENA
Maria Helena: o superior hierárquico que se vale de sua posição para atormentar a vida de seus subordinados viola de forma frontal e inegável a moralidade administrativa

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público aprovou projeto que caracteriza o assédio moral como ato de improbidade administrativa. O condenado por esse crime pode perder o emprego e pagar multa de até 100 vezes o valor de seu salário.

O Projeto de Lei 8178/14, do Senado, altera a Lei da Improbidade Administrativa (8.429/92) para tipificar a conduta de um superior que coaja moralmente um subordinado, por meio de atos que tenham o objetivo de atingir a sua dignidade ou de humilhá-lo, com abuso de autoridade.

A relatora na comissão, deputada Maria Helena (PSB-RR), recomendou a aprovação da matéria. “A Lei da Improbidade Administrativa não estabelece de forma objetiva o assédio moral, daí surge a necessidade de regulamentação prevista no projeto.”

A lei atual inclui os atos contrários aos princípios da administração pública que violam os deveres da honestidade, da imparcialidade, da legalidade e da lealdade às instituições.

“O superior hierárquico que se vale de sua posição para atormentar a vida de seus subordinados viola de forma frontal e inegável a moralidade administrativa”, argumenta a relatora.

Assédio moral
Conforme lembrou Maria Helena, o assédio moral na administração pública se configura quando o chefe impõe ao subordinado condutas como marcar tarefas com instruções confusas e imprecisas com prazos impossíveis, ou sujeita o servidor a remoções inesperadas, ao isolamento, a humilhações constantes, a exposição ao ridículo e a horários injustificados.

“Inúmeras são as consequências do assédio moral para o servidor, como crises de estresses e ansiedade, muitas vezes trazendo danos irreversíveis ao seu organismo”, alertou Maria Helena.

Tramitação
O projeto ainda será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, antes de ser votado pelo Plenário.

Íntegra da proposta:

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Newton Araújo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

lia | 06/11/2016 - 03h22
É péssimo, sofri calada por4 anos, adoeci e pedi para me dispensarem, depois me arrependi , deveria ter arrebentado com a cara daquele monstro
Maria | 25/03/2016 - 22h53
Gostaria de saber se um processo de assédio moral coletivo,teria êxito,visto que as únicas provas são testemunhas (os funcionários assediados e outros colegas de trabalho).Nosso caso vem afetando nossa saúde (estresse,ataques de ansiedade,crises de choro,desânimo e outros) e nossa vida funcional (aumento significativo de faltas ao trabalho). Se alguém puder me responder, por favor; porque temos medo de sermos prejudicados de alguma forma, pois ainda estamos no Estágio Probatório...
antonia pereira barbosa | 01/02/2016 - 18h31
TOMARA Q SEJA APROVADO LOGO PORQUE A MINHA FIHA PASSOU POR ISSO E É REALMENTE UM TRAUMA MUITO GRANDE Q SÓ QUEM PASSA SABE..