Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

29/10/2013 - 13h27

Maratona hacker promovida pela Câmara chega à fase final

Aplicativos estarão disponíveis para o público no final de novembro.

Antonio Augusto / Câmara dos Deputados
Primeira maratona hacker da Câmara dos Deputados, que convida programadores, desenvolvedores e inventores para criação de soluções web que visem à melhoria do processo legislativo
Hackers reunidos no Salão Branco da Câmara.

Começou hoje a fase final da maratona hacker da Câmara dos Deputados – Hackathon. Até a próxima sexta-feira, 50 hackers estarão na Câmara para desenvolver projetos de aplicativos com o objetivo de dar mais transparência ao Legislativo do País.

Os 50 participantes foram escolhidos entre 183 inscritos e, juntos, apresentaram 27 propostas de aplicativos. Entre as sugestões estão um jogo que simula o processo legislativo, um mapa da seca para monitoramento pela Comissão de Meio Ambiente e um programa que permite que qualquer pessoa acompanhe os gastos dos parlamentares individualmente.

“Há uma critica muito grande de que é difícil acompanhar a atuação parlamentar e compreender o processo legislativo, a tomada de decisões. O objetivo aqui é suprir essas deficiências. Quanto mais a sociedade souber e conhecer o processo legislativo, melhor vai ser sua capacidade de influenciar e de fazer críticas construtivas”, afirmou o coordenador do evento e servidor da Câmara, Cristiano Ferri.

“O mais importante é estimular uma cultura política de abertura e permitir que a sociedade civil se articule com o Legislativo", acrescentou a facilitadora do encontro e representante do coletivo Transparência Hacker, Daniela Silva.

Esta é a primeira maratona hacker do Congresso brasileiro. Segundo Ferri, as outras duas únicas experiências do tipo com o Legislativo aconteceram no parlamento inglês e na Câmara Municipal de São Paulo.

Protótipos
Os participantes da Hackathon terão quatro dias para apresentar protótipos de seus aplicativos. Depois dessa etapa, será mais uma semana para a execução das versões finais.

A comissão julgadora – composta por nove integrantes, sendo sete de fora da Câmara – irá escolher as três melhores propostas. As equipes ganhadoras receberão, cada uma, R$ 5 mil de prêmio com patrocínio do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal (Sindilegis) e do Tribunal de Contas da União (TCU).

A ideia é que os três aplicativos ganhadores e outros avaliados pela comissão estejam no site da Câmara e disponíveis para acesso público até o final de novembro.

DE PAULO PIMENTA CH 07122011
Pimenta: a iniciativa precisa aproximar a sociedade do Parlamento.

Único deputado integrante do colegiado que vai escolher os melhores aplicativos, Paulo Pimenta (PT-RS) acredita que a Hackathon deve aproximar a sociedade dos parlamentares. “Eu vou procurar identificar iniciativas e mecanismos que possam desmistificar a dificuldade que muitas vezes a sociedade tem em conhecer aquilo que nós fazemos. A partir daí, vamos propor soluções, que podem ser na área do processo legislativo, da participação popular, da divulgação das iniciativas e da análise de discursos, por exemplo”, explicou.

Gênero
Um dos aplicativos que estão na disputa pretende garantir um formato simples para acompanhamento da atuação da bancada feminina da Câmara. Haydée Svab é uma das hackers que propôs o aplicativo.

Única integrante feminina do grupo e uma das únicas três mulheres que participam da maratona hacker, ela relaciona a baixa participação feminina na política e nas áreas tecnológicas: “Existe a ideia construída socialmente de que a mulher pertence ao espaço privado, não ao espaço público. Seja na política ou na tecnologia, quando se pensa em pessoas relevantes, que desenvolvem um trabalho reconhecido, raramente esses profissionais são mulheres”, lamentou.

Haydée e os outros 49 hackers participarão bate-papos durante o dia de hoje com profissionais de diversas áreas da Câmara que explicarão as atividades do Parlamento. Durante os quatro dias de maratona, eles terão à sua disposição um ambiente com mesas, sofás, projetores e acesso à internet, acessível inclusive durante as madrugadas. No período, profissionais da Câmara estarão à disposição para fornecer os dados necessários para o desenvolvimento dos aplicativos.

Confira a programação completa.

Da Redação - ND

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

Gilson Vasconcelos Dobbin | 29/10/2013 - 19h41
O Parlamento Brasileiro preciso ser permeável a uma nova cultura de participação. Ser transparente é se mostrar, facilitar o acesso, fazer parcerias com a sociedade e deixá-la entrar e navegar livremente. A maratona hacker é um acerto de mentes que pensam a Câmara abertamente. Um daqueles que vale a pena estar atento, pois o resultado pode influenciar a maneira como queremos continuar construindo nossas relações de poder. Parabéns à Direção da Casa, aos colegas Sérgio Sampaio, Cássia Botelho, Luiz Antônio da Eira e, por fim, de finalidade, o idealizador deste desafio, Cristiano Ferri.