Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

13/03/2018 - 23h54

Parecer sobre Plano Nacional de Enfrentamento ao Homicídio de Jovens apresentará estratégias descentralizadas

O presidente da Comissão Especial sobre o Enfrentamento ao Homicídio de Jovens, deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), afirmou que o relatório do colegiado será entregue dentro de um mês e apresentará estratégias descentralizadas para municípios, estados e a União. A comissão analisa o projeto de lei que cria o Plano Nacional de Enfrentamento ao Homicídio de Jovens (PL 2438/15).

"É um planejamento com cinco macrometas que descentraliza entre os municípios, os estados e a União as estratégias para cumpri-las para que em dez anos se preserve 600 mil vidas no Brasil", disse Lopes.

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Audiência Pública. Dep. Reginaldo Lopes (PT - MG)
Reginaldo Lopes, presidente da comissão

A comissão realizou audiência pública nesta terça-feira (13) para discutir os efeitos da intervenção federal na segurança pública do estado do Rio de Janeiro.

O vice-presidente do Conselho de Administração do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima, destacou que a segurança pública já está ineficiente há muitos anos e defendeu a aprovação de projetos de lei na área de segurança pública que estão tramitando na Câmara para o estabelecimento de metas e prazos.

"O que a Câmara pode fazer é começar a organizar para que o caminho seja um só. Se a Câmara criar as condições para que a gente tenha informações de qualidade, gestão de recursos adequada, formas de transparência e de supervisão, talvez já seja um passo bem dado", argumentou.

O Plano Nacional de Enfrentamento ao Homicídio de Jovens tem previsão de dez anos e tem por objetivo criar medidas capazes de reduzir o homicídio de jovens negros no Brasil com ações de enfrentamento à violência e garantia de inclusão social desse grupo.

Segundo o Atlas da Violência, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado no ano passado, de cada 100 pessoas assassinadas, 71 são negras no Brasil. O projeto que cria o plano foi uma das sugestões apresentadas pela CPI da violência contra jovens negros e pobres realizada em 2015.

Íntegra da proposta:

Reportagem - Karla Alessandra
Edição - Geórgia Moraes

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'



Comentários

André Sarmanho | 15/03/2018 - 16h14
Senhores,o enfrentamento ao Homicídio de Jovens no Brasil,passa obrigatoriamente pelo consumo de drogas.O problema não é o tráfico.A juventude brasileira é a grande consumidora de drogas no Brasil.Só existe tráfico porque existe consumo.Só se apreende veículos,embarcações e aeronaves carregadas com centenas e quilos e até toneladas é porque há milhões e milhões de consumidores patetas,que são tratados como incapazes,imaturos,irresponsáveis ou doentes dependentes químicos,intocáveis e que se presume não terem consciência de que eles como usuários PRODUZEM CRIMINOSOS E CRIMES.
André Sarmanho | 15/03/2018 - 15h15
Aprovem com urgência o PL 373/2015, do Del. Éder Mauro,incusive já está em regime de urgência>>>Aprovado requerimento do Sr. Rogério Rosso que requer regime de urgência para apreciação do PL 373/2015.TECNOLOGIA CONTRA O CRIME! Bandidos psicopatas-assassinos-"serials Killers" estão utilizando motos e veículos com placas frias para assassinar cidadadãos e policiais e etc,crime contra o próprio Estado e estão impunes porque as polícias não têm ou não sabem usar equipamentos leitores de números e letras (OCR).É fácil e as câmeras de ruas e residências podem fazer a leitura.Sófalta implementar!!
André Sarmanho | 15/03/2018 - 15h14
Senhores deputados,há necessidade urgente desapensar o PL 9605/2018-rastremanento de veículos do PL 6085/2016,o qual não tem a mínima correlação com o tema,só está servindo para atrapalhar/retardar a aprovação do PL 9605/2018. Há necessidade urgente de rastrear veículos automotores:motocicletas e veículos em geral,pois a facilidade de utilização de motocicletas para a prática de crimes já ceifou a vida de quase uma centena de policiais civis e militares neste país.O Estado tem a obrigação de vencer a guerra contra o crime,doa a quem doer,pois isso é dever do Estado.TECNOLOGIA CONTRA O CRIME!