Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Projetos Estratégicos do Exército Brasileiro

O Vice-Presidente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, deputado federal Vitor Paulo, do PRB fluminense, esteve nesta quarta-feira (19/09) no Quartel General do Exército, para conhecer os projetos estratégicos da instituição. O parlamentar é relator da Subcomissão Permanente das Forças Armadas que vai acompanhar as proposições desenvolvidas pelo Exército, Marinha e Aeronáutica.
20/09/2012 16h35

Durante o encontro, o General Linhares fez uma apresentação dos trabalhos que o Exército está desenvolvendo para a sua transformação, tais como os projetos: Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (SISFRON), Sistema Integrado de Proteção das Estruturas Estratégicas Terrestres (Proteger), Defesa Cibernética, Recuperação da Capacidade Operacional (RECOP), Defesa Antiaérea, ASTROS 2020 e o projeto Guarani - de produção de uma nova família de blindados para substituir os ainda existentes na tropa, como o Urutu e Cascavel. O oficial também falou sobre os prazos de execução dos mesmos, bem como a despesa de cada projeto e dos valores mínimos para atender os eventos que serão sediados no Brasil nos próximos quatro anos.

O deputado Vitor Paulo destacou, dentre as proposições apresentadas, a importância de priorizar Projetos Estratégicos que possam ser executados em curto prazo. “Vamos focar, nesta primeira etapa, os projetos que terão impacto imediato para atender os megaeventos a serem realizados no País, dada a sua urgência”, enfatizou.

O republicano sugeriu que o PROTEGER, o SISFRON e o RECOP fossem elencados como prioritários. Vitor Paulo anunciou, ainda, que vai solicitar audiência pública para que os Projetos do EB sejam apresentados para os membros da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara e demais autoridades.

Também participaram do encontro o General Magalhães, o Tenente-Coronel Triani e vários oficiais superiores do Exército.

Defesa Antiaérea
O Sistema de “Defesa Antiaérea” pretende dotar o Brasil de meios terrestres (radares, viaturas e centros de operação) e contribuir com o sistema de Defesa Aeroespacial (Sisdabra).

Astros 2020
O “Astros 2020” tem por finalidade pesquisar um míssil 300km para o emprego do Exército, modernizar a Unidade de Foguetes de Formosa-GO, instalar um Unidade de Mísseis na cidade, com a aquisição de 40 Viaturas Astros.

Sisfron
O “Sisfron” visa estabelecer um sistema de monitoramento da faixa de fronteira terrestre brasileira, a fim de aumentar a presença do Estado nessa área, que abrange 27% do território nacional.

Defesa Cibernética

O projeto “Defesa Cibernética” visa aperfeiçoar toda a estrutura cibernética a fim de reduzir a vulnerabilidade dos sistemas relacionados à Defesa Nacional contra ataques Hacker. A defesa espacial ficará a cargo da Aeronáutica e a nuclear, da Marinha. A proposta de “Defesa Cibernética” teve grande destaque durante a Conferência das Nações Unidas, a Rio +20. Ataques maliciosos derrubaram a página do G20 no México e não obtiveram êxito na rede desenvolvida pelo EB, durante o evento.

Guarani
O “Guarani” tem a finalidade de substituir as viaturas Urutu e Cascavel, dotando o EB de viaturas modernas. O projeto prevê a aquisição de 1390. Além disso, a proposta também inclui a recuperação de helicópteros, blindados, viaturas e equipamentos, tendo em vista que muitos equipamentos utilizados pela instituição são da década de 70.

Proteger

O “Proteger” visa implantar no Exército Brasileiro o Sistema Integrado de Proteção das Estruturas Estratégicas Terrestres de forma a ampliar as capacidades da instituição para a proteção da sociedade. Dentre as estruturas a serem protegidas, destacam-se: energia, comunicações, águas, transportes, finanças, setor cibernético, setor nuclear, setor espacial e ativos da informação. Entre os países que fazem parte do BRICS, o Brasil é o único que ainda não dispõe de um sistema integrado de proteção de infraestruturas críticas.

 

Fonte: Assessoria do Deputado Vitor Paulo