Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Página Inicial / Atividade Legislativa / Comissões / Comissões permanentes / Comissão de Direitos Humanos e Minorias - CDHM / Notícias / Impasse sobre novo traçado da BR 158 no Mato Grosso está perto do fim, após audiência pública da CDHM

Impasse sobre novo traçado da BR 158 no Mato Grosso está perto do fim, após audiência pública da CDHM

A BR 158, em parte do trecho que atravessa o Mato Grosso, na região nordeste do estado, passaria pela terra indígena Marãiwatsédé do povo Xavante. A área foi alvo de disputa e tem uma extensão de mais de 165 mil hectares e está registrada em nome da União. Depois de muita discussão, índios, empresários e órgãos públicos responsáveis pela construção da estrada estão chegando a um acordo. Um novo traçado já foi aprovado, contornando a terra indígena, e o asfaltamento desse trecho, parado há sete anos, deve ser retomado. A situação da BR 158 foi tema de uma audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), na última terça-feira (14).
16/08/2018 14h30

Foto: Fernando Bola

Impasse sobre novo traçado da BR 158 no Mato Grosso está perto do fim, após audiência pública da CDHM

De um lado do debate, os Xavantes, que pediam a mudança no traçado na BR 158, contornando a terra indígena e não mais atravessando em linha reta por dentro da reserva, como o plano original. Os Xavantes de Marãiwatsédé têm, durante todos esses anos, buscado a reconstrução do seu território tradicional e a mudança no trajeto da estrada. 

Do outro lado, estavam os produtores e comerciantes, que queriam o projeto inicial sem desvios. Eles alegavam que o trecho em questão é uma rota de escoação da produção. Afirmam que o novo desenho, já aprovado em um acordo entre Funai, Ibama e Dnit, aumenta em 70 km o transporte de cargas e eleva e custo do frete.

Os deputados Patrus Ananias (PT/MG) e Nilton Tatto (PT/SP) pediram a realização do encontro.

“Consideramos que a audiência pública cumpriu os objetivos. O trabalho do legislativo é fiscalizar e questionar, pelas vias democráticas, o poder legislativo. Vamos continuar esse trabalho de acompanhamento da obra,  pressionando os responsáveis para o cumprimento do que já foi acordado, e mantendo o diálogo com os povos indígenas”, afirma Patrus.

O deputado pontua dois aspectos importantes da BR 158 nesse trecho do Mato Grosso. “ Um, é a importância da estrada para promover o desenvolvimento regional, a agricultura, as comunidades da região. Outro ponto, é que a estrada não pode passar pelos territórios indígenas. Temos que respeitar os planos de proteção ambiental, das águas, da cultura e da integridade do povo Xavante, e de outros que habitam a região. Ao mesmo tempo buscando a construção da estrada com um traçado que não passe pelo território, como já foi acordado com o Dnit, Funai de governo do estado”, pondera o deputado.

Dom Leonardo Steiner, secretário-geral da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil destaca que a estrada no novo traçado, traz benefícios para a região. “São vários municípios como Bom Jesus, Serra Nova, Santo Antônio, Alto da Boa Vista e São Felix do Araguaia e mais seis aldeias indígenas. Isso significa integração regional. O asfaltamento desse trecho traz o desenvolvimento da agricultura. O novo traçado aumenta o percurso, mas também traz lucro para todos. Da economia ao meio ambiente”, analisa Dom Leonardo.

André Martins de Araújo, diretor de Planejamento e Pesquisa do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) informa que, com o novo traçado, esse trecho da BR 158 passa de 121 quilômetros para 195. “Já foi definido que haverá o contorno e por ali devem passar este ano três milhões de toneladas de soja e milho. São  2.242 veículos por dia após o asfaltamento. Já tivemos a emissão de licença prévia em abril deste ano e agora aguardamos a contratação do Plano Emergencial Ambiental Indígena para continuar o asfaltamento”.

Também participaram da audiência pública representantes da Superintendência Regional do Dnit de Mato Grosso, da Procuradoria da República no município de Barra do Garças,  e do Conselho Indigenista e Missionário. 

Histórico

Os índios, segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), ocuparam a terra na década de 1960. Naquela época, a Agropecuária Suiá-Missú foi instalada na região. Em 1967, os índios foram transferidos para a Terra Indígena São Marcos, na região sul de Mato Grosso, e lá ficaram por cerca de 40 anos.

Em 1980 a fazenda foi vendida para a petrolífera italiana Agip. Naquele ano, a empresa foi pressionada a devolver aos Xavantes a terra durante a Conferência de Meio Ambiente no ano de 1992, realizada no Rio de Janeiro. Dezoito anos depois, em 1998, houve a homologação, por decreto presidencial, da terra indígena. Mas o retorno dos Xavantes não aconteceu de forma pacífica. Só em 2013 foi entregue, pelo governo federal, a posse plena da terra, a partir de uma operação de retomada determinada pelo Supremo Tribunal Federal em outubro de 2012.

Porém, diversos recursos impetrados na Justiça marcaram a divisão de lados entre os produtores e indígenas.

 “A demarcação das terras tradicionalmente ocupadas pelos índios decorre de imperativo constitucional, que determina que compete à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens. Os Xavantes têm o direito de viver na terra deles protegendo o meio ambiente e produzindo alimentos da forma que escolherem, sem interferência externa, se assim desejarem”, afirma o deputado Luiz Couto (PT/PB), presidente da CDHM.

A estrada

A BR 158 atravessa o país de norte a sul. No planejamento do Ministério dos Transportes, o ponto inicial estaria entre as rodovias BR-230 e PA-415 no município de Altamira, no Pará. Entretanto, esta ligação com Altamira nunca foi colocada em prática. Na realidade, ela só está pavimentada a partir de Redenção, também no Pará. Passa depois pelos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, onde termina, na fronteira com o Uruguai, no município de Santana do Livramento.

 

Pedro Calvi / CDHM