[an error occurred while processing this directive] Indiciamentos criam polêmica na CPI das Escutas Telefônicas - Agência Câmara de Notícias [an error occurred while processing this directive]
INTERAÇÃO
OUTROS VEÍCULOS
Pesquisar notícias
Ler últimas notícias
04/03/2009 20:13

Indiciamentos criam polêmica na CPI das Escutas Telefônicas


Oposição reclama por não terem sido pedidos no relatório final os indiciamentos do banqueiro Daniel Dantas e do ex-diretor-geral da Abin Paulo Lacerda, entre outros. Votação do texto será na próxima semana.

A oposição vai apresentar voto em separado ao relatório final do deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), apresentado nesta quarta-feira à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Escutas Telefônicas Clandestinas. A principal discordância se deu em torno da escolha do relator de remeter ao Ministério Público (MP) os depoimentos de autoridades e do empresário Daniel Dantas, indicando apenas que há divergência entre eles, mas nada que sugira necessidade de indiciamento.

O relator decidiu encaminhar ao MP os depoimentos do ex-diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e ex-diretor da Polícia Federal (PF) Paulo Lacerda; do agente de inteligência da Abin Márcio Seltz, envolvido na operação que investigou o banqueiro Daniel Dantas; do delegado da PF Protógenes Queiroz, que comandou a Operação Satiagraha; do diretor-adjunto afastado da Abin, José Milton Campana; do diretor de Inteligência da PF Daniel Lorenz; e do presidente da Associação Nacional de Servidores da Abin, Nery Kluwe; além de Daniel Dantas.

Para o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR), o relatório tem de deixar claro se há ou não ilegalidade nos depoimentos e atos e deve apontar quais são eles. Ele explicou que é preciso dizer se há condutas inusuais ou inapropriadas, quais foram elas e quais as divergências existentes entre os diversos depoimentos. "Apesar de ser bastante aprofundado em diversos pontos em seu texto, o relator optou por não enfrentar a dimensão política, mas não há como ignorar que toda a diretoria da Abin foi trocada como decorrência dos fatos que abordamos", disse.

Fruet explicou que, mesmo que não aprovado, o voto em separado é fundamental porque deve acompanhar o relatório oficial quando encaminhado ao MP, ao Supremo Tribunal Federal e a outras autoridades.

Devido a um pedido de vista apresentado pela oposição, a discussão e votação do relatório, prevista para esta quarta-feira, foi adiada para a próxima semana. O prazo para o encerramento da CPI é 15 de março.

Indiciamentos
Pellegrino pede o indiciamento de seis pessoas no relatório. Uma delas é a delegada de polícia Eneida Orbage de Brito Taguary, acusada de ter ordenado a escuta ambiental ilegal para investigação de uma denúncia da ex-secretária da Comissão Organizadora de Exames da Seção do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Janaína Faustino. Janaína disse que foi intimidada pelos advogados Ulisses Borges de Resende, Guilherme Castelo Branco e Luiz Freitas Pires de Sabóia para que envolvesse o ex-vice-presidente da OAB do DF Paulo Roberto Thompson Flores e outros numa fraude ocorrida em exame da OAB em dezembro de 2006. Os depoimentos dessas pessoas também serão enviados ao MP.

Também é pedido o indiciamento do detetive particular Eloy de Ferreira Lacerda, acusado pela Polícia Federal de comandar uma quadrilha especializada em espionagem. Foi solicitado ainda que sejam indiciados os policiais Durval Barbosa, Edson Alves Crispim e Horário Ferreira, acusados de fazer escuta ilegal da procuradora-geral do Tribunal de Contas do Distrito Federal, Cláudia Fernanda de Oliveira Pereira. O relator pede que sejam encaminhadas ao MP as notas taquigráficas, inclusive as da sessão reservada realizada com a procuradora.

Por fim, o relatório recomenda o indiciamento de Augusto Peña, investigado por suspeita de utilizar grampos telefônicos clandestinos na tentativa de extorsão envolvendo o Primeiro Comando da Capital (PCC).

"Algumas decisões do Supremo Tribunal Federal impediram que a CPI compartilhasse informações sigilosas com inquéritos e processos penais. De uma certa forma, dificultaram que a comissão obtivesse dados essenciais para alguns indiciamentos. Mas o que não pudemos apurar à exaustão, estamos enviando ao Ministério Público, para que dê prosseguimento às investigações", ressaltou Pellegrino.

Leia mais:
Relator sugere novas regras para autorizações judiciais

Notícias anteriores:
Grampo contra José Aníbal pode levar CPI a prorrogar trabalhos
Chinaglia pede punição a responsáveis por grampo de líder do PSDB
Líder do PSDB informa que foi alvo de escuta telefônica
CPI quer maior fiscalização das escutas telefônicas no País
Relatório da CPI condenará escutas feitas pela Polícia Rodoviária
CPI: presidente sugere código para regulamentar escutas

Reportagem - Vania Alves e Eduardo Tramarim
Edição - Marcos Rossi


(Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura `Agência Câmara`)

Agência Câmara
Tel. (61) 3216.1851/3216.1852
Fax. (61) 3216.1856
E-mail:agencia@camara.gov.br


A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara de Notícias'



[an error occurred while processing this directive]